ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 2 de julho de 2011

PM DE FOLGA ENFRENTA BANDIDOS QUE ASSALTAVAM LOTÉRICA

Criminoso é baleado por PM ao tentar assaltar lotérica na Capital. Dois assaltantes conseguiram fugir - Ieda Risco / Rádio Guaíba, CORREIO DO POVO, 02/07/2011

Um policial militar (PM) de folga baleou um dos três criminosos que tentaram assaltar uma lotérica, no início da tarde deste sábado, na avenida Azenha, em Porto Alegre.

Os outros dois conseguiram fugir em um Gol vermelho, mas o dinheiro recuperado.

O assaltante ferido, com um tiro no pulmão e outro em uma das pernas, não tinha documentos e foi levado para o Hospital de Pronto Socorro (HPS).

A Brigada Militar já solicitou as imagens das quatro câmeras de monitoramento da lotérica para auxiliar nas buscas aos suspeitos que fugiram.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Esta é a sina dos policiais que, mesmo mal pagos e de folga, não esquivam do perigo. Desta vez foi o bandido o baleado e não o policial como ocorreu com o Cel Danilo. O policial estadual, civil ou militar, é uma profissão que deveria ser mais valorizada pelos governantes diante da dedicação 24 horas e dos riscos de morte que enfrentam, mesmo não estando de serviço.