ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

EMERGÊNCIA 190 - OPERADOR É DEMITIDO POR MAU ATENDIMENTO

Crítica em serviço. Operador do 190 é demitido por mau atendimento - O GLOBO, 28/07/2011 às 23h33m; Selma Schmidt

RIO - O coordenador do Serviço de Atendimento de Emergência 190, coronel da Polícia Militar Enir Costa Filho, decidiu demitir um operador por considerar seus comentários inconvenientes durante o atendimento a um rapaz que havia sido assaltado de madrugada em Ipanema, junto com a namorada, em Ipanema, na semana passada. O rapaz relatou que o atendente do 190 disse algo parecido com "deu mole por estar andando a esta hora naquele local", em tom irônico.

O atendimento do 190 é feito por 188 operadores de uma empresa de telemarketing, que trabalham em turnos. O serviço é monitorado por policiais militares e gravado. Responsável pela coordenação do 190, a Secretaria de Segurança não informou o nome da empresa nem do atendente demitido. A transcrição da conversa entre o rapaz e o operador também é mantida em sigilo. Por e-mail, o órgão disse que "não foi constatado deboche". Afirmou ainda que a gravação da conversa servirá para reciclagem dos demais atendentes. As reciclagens acontecem a cada seis meses.

Inicialmente, a namorada do rapaz disse que o mau atendimento fora feito na 14ª DP (Leblon), como noticiou Ancelmo Gois em sua coluna no GLOBO . Na quinta-feira, o casal esclareceu que o problema aconteceu dentro da delegacia, mas envolvendo o atendente do 190 e não um servidor da Polícia Civil.

- A vítima contou que o casal foi à 14ª DP para registrar um roubo e que um inspetor ligou para o 190 a fim de pedir o apoio da PM para tentar prender os assaltantes. Como não dispunha das informações, o policial passou o telefone para a vítima - disse na quinta-feira o delegado Gilberto Ribeiro, titular da 14ª DP.

Diante da primeira versão da namorada da vítima, o governador Sérgio Cabral acionou a chefe de Polícia Civil, Martha Rocha, que instaurou sindicância para apurar o mau atendimento na delegacia . O delegado Ribeiro convocou o rapaz, um estudante de ciências sociais, que disse na quinta-feira ter sido bem tratado na delegacia e esclareceu a confusão, afirmando que o deboche foi do atendente do 190.

Segundo o delegado, o caso aconteceu na madrugada de quarta-feira da semana passada O casal tinha saído de um bar e estava na Rua Prudente de Moraes, quando foi rendido por três assaltantes.