ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

CARREIRA JURÍDICA

WANDERLEY SOARES, REDE PAMPA, O SUL, Carreira jurídica. Porto Alegre, Sexta-feira, 29 de Julho de 2011.

"Os governos não cumprem a lei e tratam decisões judiciais com descaso", afirmou o presidente reeleito da Associação dos Delegados do RS, Wilson Müller Rodrigues.

Na eleição mais disputada dos últimos anos na Asdep (Associação dos Delegados de Polícia do RS), Wilson Müller Rodrigues foi reeleito para um terceiro mandato, colhendo números que, com certeza, não agradaram aos amantes do oficialismo. Müller, que é delegado aposentado, venceu a chapa liderada pelo delegado da ativa Pedro Carlos Rodrigues, ex-chefe de Polícia durante o governo Yeda Crusius.

No entanto, pelo que fervilhou nos bastidores dessa disputa, plenamente democrática, Pedro, policial de cultura e conduta irrepreensíveis, não foi o grande perdedor. Perdeu mesmo foi uma máquina oficialista que pretendia rasgar uma história de lutas da Asdep em favor de uma inconsistente, de uma gelatinosa juvenilização a partir dos gabinetes que rezam, incondicionalmente, não pela cartilha da categoria, mas pela ditada por quem, eventualmente, está no Piratini.

A Asdep continua sendo uma entidade de classe e não um segmento do rei reinante. Sigam-me.

Números

Wilson Müller Rodrigues foi reeleito presidente da Asdep com cerca de 70% dos votos e teve maioria tanto entre os delegados da ativa como no colégio de aposentados. O resultado final foi de 370 sufrágios para Wilson e 192 para Pedro.

Salários

Paralelamente à disputa eleitoral na Asdep, permaneceu vivo o debate no entorno de uma equiparação salarial dos delegados com os demais profissionais de carreira jurídica. O pagamento concedido a um delegado representa metade do que recebe, por exemplo, um procurador do Estado. "Nós não queremos do governo nada que não seja nosso. Nós só queremos recuperar aquilo que vários governos aos poucos foram nos tirando", afirmou Müller. Ressaltou ainda que, além disso, ele não vê caráter "legal", nem "ético" para manter a remuneração atual.