ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 9 de julho de 2011

BASTANTÃO DA SEGURANÇA PÚBLICA

WANDERLEY SOARES, REDE PAMPA, O SUL, Porto Alegre, Sábado, 09 de Julho de 2011.

É tradicional e, por isso, notável, a atenção de sucessivos governos para com a alimentação dos profissionais dos organismos policiais.

O coordenador de Comunicação Social da Secretaria de Segurança, jornalista Antonio Cândido, em contato com a minha torre, esclareceu que o pagamento da etapa de alimentação é a mesma para todos os servidores da segurança pública: R$ 7,03 para cada seis horas de plantão. Os profissionais da Polícia Civil e do IGP (Instituto-Geral de Perícias) recebem R$ 28,14 porque fazem escala de 24 horas de plantão e, consequentemente, tem direito a quatro vezes o valor pago para cada turno de seis horas, o que é, deveras, impressionante.

Na Brigada Militar, as escalas são de seis horas e, por isso, os PMs recebem o valor unitário, o que é, politicamente, degradante. Lembrou Cândido, a mim, que o último reajuste das etapas de alimentação havia ocorrido em 2005. Tarso Genro, portanto, está sendo magnânimo.

Como um humilde marquês, entendo que esses números revelam a atenção especial que os governos têm com a alimentação dos profissionais da segurança pública, o que nada mais é do que a política do PF (prato feito), ou, também, do BSR (bastantão sem refrigerante).

Tráfico (1)

A Polícia Civil capturou um grupo acusado de monitorar o tráfico de drogas por meio de câmeras de vídeo na Ilha dos Marinheiros. Os criminosos chegaram a colocar cancelas e quebra-molas nas ruas, além de fazer revistas nos moradores do local. Em maio do ano passado, o jovem Agostinho Ferreira dos Santos Júnior, 24 anos, foi assassinado após tentar denunciar como os traficantes agiam no local. Pouco mais de um ano depois, três moradores denunciaram a situação à polícia. O delegado Artur Raldi, da Delegacia de Homicídios, afirmou que os traficantes estavam impondo um regime de terror na comunidade. Dois homens, capturados ontem, são apontados como envolvidos no comando do tráfico e na execução de Agostinho.

Tráfico (2)

A Brigada Militar apreendeu, na noite passada, em Caxias do Sul, cerca de um quilo de cocaína e crack. A ação foi realizada no bairro Planalto Rio Branco. Três traficantes foram presos. Perseguição Dois PMs ficaram feridos na queda de uma viatura em uma ponte na BR-386, em Frederico Westphalen, no Norte gaúcho. Os policiais perseguiam um veículo que furou a barreira do posto fiscal de Iraí. Os ocupantes do carro arremessaram o macaco e a chave de rodas sobre a viatura. O policial perdeu o controle e a viatura caiu na ponte e bateu numa árvore às margens do rio da Várzea. Os bandidos fugiram e os policiais tiveram ferimentos leves.

Tertúlias

O secretário da Segurança Pública, Airton Michels, está em Montevidéu, desde quinta-feira, participando da VII Reunião de Alto Nível da Nova Agenda de Cooperação e Desenvolvimento Fronteiriço Brasil-Uruguai. O encontro tem o objetivo de dar continuidade à discussão dos diferentes aspectos relacionados ao desenvolvimento integrado da faixa de fronteira entre os dois países. Essas tertúlias são bonitas e indispensáveis, mas bom seria se houvesse, pelo menos na área da segurança pública, a integração permanente entre o nosso Estado com Santa Catarina e Paraná. Enquanto isso não acontecer, as tertúlias internacionais serão meramente bonitas, ainda que indispensáveis.