ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

OPERAÇÃO CARTOLA - PARA PREFEITOS FOI "CIRCO".


CONTRA-ATAQUE. Para prefeitos, operação foi “circo”. Representantes de sete municípios investigados por ação batizada de Cartola reclamam de “aparato de guerra” e “espetáculo” - ZERO HORA 08/07/2011

Ainda sem conhecer o teor das investigações, o presidente da Federação das Associações de Municípios (Famurs), Mariovane Weis (PDT), anunciou que prefeitos de sete dos oito municípios investigados irão ingressar na Justiça contra a Operação Cartola. Serão ações indenizatórias contra a Chefia de Polícia, o Ministério Público Estadual e o Ministério Público de Contas.

Suspeitas de irregularidades em contratos entre prefeituras e a PPG Comunicação deram origem à operação. Desencadeada na madrugada de quarta-feira, a ação envolveu 500 policiais, 160 viaturas e 43 mandados de busca e apreensão. Os prefeitos criticam o que chamam de “aparato de guerra” durante as buscas, argumentam que os municípios tiveram a imagem lesada e, por conta disso, vislumbram prejuízos.

– Quem é que vai recuperar a minha imagem dentro da comunidade e a imagem do município de Canela, que vive fundamentalmente do turismo? – indagou o prefeito Constantino Orsolin (PMDB).

Ontem, o presidente da Famurs conversou por telefone com o governador Tarso Genro. No diálogo, segundo o prefeito, Tarso teria informado que “sabia previamente da operação”.

Prefeito de Cachoeirinha rejeita movimento de colegas

Durante a coletiva, Mariovane não poupou críticas à ação policial:

– Não podemos admitir espetáculos circenses ou ações pirotécnicas, da entrada da cidade até a prefeitura – disse o presidente da Famurs, argumentando que a ação provocou “verdadeiro terrorismo”.

O prefeito de Alvorada, João Carlos Brum (PTB), reclamou que não teve acesso a detalhes da operação e não sabe, por exemplo, quem são os funcionários investigados. O chefe do Executivo de São Sebastião do Caí, Darci Lauermann (PMDB), também demonstrou preocupação com a campanha à reeleição:

– Como vai ficar aquele que pretende concorrer, uma vez que, na rua, dizem que o gestor é um ladrão?

A Famurs e os prefeitos devem encaminhar ofícios aos órgãos envolvidos na operação solicitando informações sobre a investigação. O prefeito de Cachoeirinha, Luiz Vicente Pires (PSB), foi o único que não compareceu. Em entrevista, declarou que não endossa a ação dos prefeitos:

– Explicação se dá para porteiro, e não estou querendo entrar em lugar nenhum.

Líder pedetista critica postura do governador
Um dia após a Operação Cartola, o prefeito Romildo Bolzan Jr. (PDT) estava visivelmente irritado com o governador Tarso Genro. A prefeitura de Osório foi um dos locais vistoriados por policiais.

– Tarso tinha conhecimento prévio e patrocinou essa operação. Na conduta de chefe da polícia, ele não poderia ter sido tão espetacular. Poderia ter sido moderador de uma ação dessa natureza – disse Bolzan, que é presidente estadual do PDT, partido aliado do governo.

Momentos antes de a Famurs divulgar uma nota condenando a operação, Bolzan pediu a retirada de trecho que mencionava que o “governador estava sensível a qualquer representação contra a arbitrariedade”.

– Eu não concordo – disse.

Bolzan admitiu que a operação pode estremecer as relações:

– Se eu entender que tudo isso foi proposital, um movimento orquestrado de forma espetacular, uma ação de governo, vou avaliar meus conceitos a respeito disso.

O SUPORTO ESQUEMA

A PPG COMUNICAÇÃO - Teria apoiado candidatos em eleições municipais. Seria o primeiro passo para a empresa de publicidade se aproximar dos futuros administradores dos municípios.

PREFEITURA DE ALVORADA - Prefeituras, como a de Alvorada, teriam contratado serviços de propaganda da PPG que, a partir de 2008, teria passado a atuar como uma terceirizadora oficial. Conforme a polícia, ela intermediaria compras de materiais (superfaturados em até 300%) e até contratação de shows. O dinheiro resultante do superfaturamento seria distribuído entre agência e servidores.

PAGAMENTO DE SUPOSTA PROPINA - Pelo menos 15 empresas estão sendo investigadas, porque haveria indícios de que teriam pago propina a funcionários das prefeituras.

OUTRAS PREFEITURAS - Além de Alvorada, a PPG manteria contratos com as prefeituras de Cachoeirinha, Canela, Osório, Parobé, São Sebastião do Caí, Tramandaí e Viamão. O TCE tem relatórios que indicariam possíveis irregularidades nesses contratos, o que tornou as cidades alvos da investigação policial.