ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

OPERAÇÃO CARTOLA RECEBE CRÍTICAS DE PREFEITOS

OPERAÇÃO CARTOLA. Famurs critica ação da polícia. Entidade defendeu prefeitos que a Polícia Civil quer investigar por suspeita de irregularidades - ZERO HORA 02/09/2011

O pedido da Polícia Civil para investigar oito prefeitos em relação a suspeitas apuradas na Operação Cartola enfrentou ontem críticas da Federação das Associações de Municípios (Famurs), a exemplo do que já ocorrera quando a ação foi deflagrada, há quase dois meses. Presidente da entidade, Mariovane Weis classificou a medida como “segundo ato da operação circo”:

– Não existe nada de concreto, são indícios irreais, condenação prévia, um desrespeito com os prefeitos, que vão processar essas autoridades.

Na quarta-feira, a polícia encaminhou à Justiça um relatório parcial de investigação descrevendo a necessidade de incluir oito prefeitos na apuração. A Justiça ainda não se manifestou.

Segundo o relatório, não há, até o momento, suspeitas em relação a três prefeitos: Constantino Orsolin (PMDB), de Canela, Romildo Bolzan Júnior (PDT), de Osório, e Alex Sander Boscaini (PT), de Viamão.

Romildo falou ontem sobre o desdobramento do caso:

– Fico contente que disseram que estamos fora de suspeitas, mas o assunto foi tão espalhafatoso, que nada me repara. Espero que seja concluído logo e estabelecida a inocência.

Boscaini disse que o relatório, ao não apontar suspeitas contra ele, só comprova o que ele vem afirmando:

– Nosso contrato com a empresa é dentro da lei e os serviços contratados são só os essenciais, que são a divulgação do IPTU e do parcelamento de dívidas. O inquérito coloca meu nome e a prefeitura fora de suspeitas.

Sobre as suspeitas oriundas de um e-mail em que um ex-secretário municipal teria supostamente solicitado dinheiro à PPG para ajudar um vereador aliado, o prefeito de Cachoeirinha, Luiz Vicente Pires (PSB), reagiu:

– A questão do e-mail do assessor penso que as forças de segurança e a Justiça devem alcançar essa pessoa, mas não envolver o prefeito, não tem citação do meu nome no inquérito.

Em relação a um telefonema que, segundo a polícia, indicaria sua relação com sócios da PPG, o prefeito de Tramandaí, Anderson Hoffmeister (PP), explicou:

– Realmente, fui com motorista pegar os diretores da PPG para almoçar. Era para tratarmos a relação das visitas oficiais do prefeito, da rainha e das princesas da Festa do Peixe aos veículos de imprensa.

Hoffmeister e Pires afirmaram que o TCE nunca fez apontamentos sobre irregularidades no contrato da PPG com suas prefeituras. Já o prefeito de Alvorada, João Carlos Brum (PTB), contra o qual a polícia sustenta ter indícios de envolvimento, negou qualquer envolvimento com o caso:

– A Justiça vai dizer que não tem elementos contra mim, mas, se for adiante, vai ser arquivado.


A origem

- A Operação Cartola foi iniciada a partir de suspeitas de irregularidades em contratos da empresa PPG Comunicação com as prefeituras de Alvorada, Cachoeirinha, Canela, Osório, Parobé, São Sebastião do Caí, Tramandaí e Viamão. O suposto esquema consistiria em beneficiar a PPG em contratos em troca de apoio financeiro para políticos.