ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

O PIOR SALÁRIO E O TERRORISMO

TERRORISMO - BEATRIZ FAGUNDES, REDE PAMPA, O SUL, Porto Alegre, Sexta-feira, 16 de Setembro de 2011.

A intenção mais comum do terrorismo é causar um estado de medo na população ou em setores específicos da população, com o objetivo de provocar no inimigo uma mudança de comportamento.

O episódio do "boneco" vestido com a farda da Brigada Militar e com um artefato que pretendia sugerir uma bomba no colo, causou impacto e literalmente sitiou o Centro nervoso da capital dos gaúchos na madrugada de ontem. Especialmente as redondezas do Palácio Piratini. Salvo uma avaliação talvez menos emocional, mais didática ou quem sabe diplomática, a intenção dos responsáveis foi a de aterrorizar a população de Porto Alegre. Em pesquisa sobre o significado do termo "terrorismo", o qual, com a licença dos mais sensíveis, considero o mais adequado para nominar o episódio do Viaduto Otávio Rocha, bem como outro igualmente com ameaça de "bomba" em estrada localizada no interior do Estado, destaco que uma das definições possíveis de terrorismo seria a de "uma estratégia política que consiste no uso de violência, física ou psicológica, em tempos de paz, por indivíduos ou grupos políticos, contra a ordem estabelecida, por meio de ataques a um governo ou à população que o legitimou, de modo que os estragos psicológicos ultrapassem largamente o círculo das vítimas para incluir o resto da população do território.

A intenção mais comum do terrorismo é causar um estado de medo na população ou em setores específicos da população, com o objetivo de provocar em um inimigo (ou seu governo) uma mudança de comportamento. É preciso diferenciar terrorismo de guerrilha. Terrorismo é, geralmente, materializado em um local calmo, ao contrário da guerrilha, que se associa, geralmente, ao ambiente de guerra. Segundo, o alvo do terrorismo são não-combatentes, ao contrário da guerrilha, em que o alvo são combatentes. Terceiro, o número de baixas resultantes do terrorismo tem por base razões político-psicológicas, ao contrário da guerrilha, em que as razões são político-militares. Quarto, o terrorismo é normalmente materializado em um ambiente urbano, enquanto que a guerrilha se associa mais ao ambiente rural. Quinto, enquanto que a guerrilha se verifica em unidades geográficas e territoriais bem definidas, no terrorismo isso não se verifica, podendo ocorrer em áreas territoriais e geográficas difusas e previamente indefinidas. Sexto, frequentemente a organização que está por trás da atividade terrorista não é visível, é quase sempre feita em um underground level, enquanto que a organização das atividades de guerrilha é geralmente bem visível. Sétimo, o terrorismo opera a partir de pequenas células, ao contrário da guerrilha, em que há um grupo de dimensão considerável. Oitavo, enquanto que a guerrilha faz, normalmente, parte de um movimento popular de grandes dimensões, o terrorismo não encontra tanta base de apoio popular. Nono e último, o número de baixas na guerrilha é significativamente maior que no terrorismo: no Vietnã e Afeganistão foram 1 milhão de mortos, enquanto que no atentado de 11 de setembro de 2001, em Nova York, morreram 3.337 pessoas.

"Na primeira noite, eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim. E não dizemos nada. Na segunda noite, já não se escondem, pisam as flores, matam nosso cão e não dizemos nada. Até que um dia o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos dizer nada." Impossível aceitar que a P2 não saiba os nomes de todos os responsáveis! A conferir!

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Já venho alertando nos meus blogs. O caso está tomando proporções graves e nocivas à população e à imagem da Brigada Militar, já abalada pelos salários miseráveis e pelo descaso dos governantes do Rio Grande do Sul. A tropa está muito inquieta diante dos disparates e discriminação praticada pelos Governantes que concedem privilégios e salários justos para alguns e desprezam a honra e a dignidade daqueles que colocavam a vida em jogo para defender o Estado e proteger o cidadão.