ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

TERRORISMO - BOMBA TINHA AMEAÇA A TARSO GENRO E FAMILIARES

Bomba colocada no centro da Capital na última sexta continha bilhete com ameaça a Tarso Genro. Junto aos dizeres “acabou a brincadeira”, recado indicava ruas onde moram familiares do governador. Humberto Trezzi e José Luís Costa. Colaborou Carlos Wagner. ZERO HORA, 29/09/2011 | 04h06min

Há uma explicação para a ira do governador Tarso Genro após a descoberta de uma bomba colocada sexta-feira passada como protesto por melhores salários de PMs, em frente a um posto da Brigada Militar (BM) e a um quarteirão do Palácio Piratini, no centro de Porto Alegre.

O artefato trazia junto uma ameaça escrita ao governador e a seus familiares.

Deixada no quarteirão situado atrás da sede do governo estadual, a bomba foi encontrada sob um boné branco. Na aba dele, na parte interna, estava escrito a caneta o nome de duas ruas – uma delas próxima à casa do governador e a outra onde mora um familiar dele.

Além disso, o autor do protesto advertiu: “Pense bem”, e logo abaixo escreveu “Acabou a brincadeira”.

A existência das ameaças no boné foi confirmada a Zero Hora por três oficiais do alto escalão da BM, que viram o objeto, e por dois assessores do Palácio Piratini. Tarso não quis se manifestar oficialmente sobre o caso.

Segurança do governador foi reforçada

O governador tomou conhecimento da ameaça escrita no boné por meio de fotos, ainda na sexta-feira. Todo material foi detalhadamente fotografado pela Casa Militar e levado a ele no gabinete. A reação imediata de Tarso foi dizer que se tratava de um misto de política com delinquência. Naquele momento, ele convocou reunião reservada com o secretário de Segurança, Airton Michels, e com o comandante da Brigada Militar, coronel Sérgio Roberto de Abreu.

Desde então, a segurança de familiares do governador foi reforçada. Segundo interlocutores do Piratini, o que mais incomodou o governo no episódio de sexta-feira foi o potencial do artefato explosivo, que poderia ferir pessoas caso acionado.

Ontem, deputados do PT se reuniram com secretário da Segurança Pública, Airton Michels, durante almoço na Assembleia Legislativa. O cardápio foi leve, frango e salada, mas a conversa, pesada. O encontro havia sido agendado para discutir o projetos na área de segurança, mas a conversa acabou girando em torno da crise na BM. O comando da corporação, no entanto, se mantém prestigiado.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - É questão de honra identificar e expulsar estes supostos terroristas. Já extrapolou o limite da racionalidade.