ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

POLICIAIS SUSPEITOS DE RECEBER PROPINA

Policiais civis suspeitos de receber propina. Três agentes foram afastados por suposta proteção a clínica de aborto - JOSÉ LUÍS COSTA, ZERO HORA 14/09/2011

Suspeitos de receber propina de uma clínica clandestina de aborto no centro de Porto Alegre, três agentes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), o órgão de elite da Polícia Civil, foram denunciados à Justiça pelo Ministério Público (MP). Os policiais exerceram a função de chefe de investigações na Delegacia de Homicídios da Capital – responsável por reprimir esse tipo de crime – e estão afastados do trabalho desde o começo de agosto por ordem do Conselho Superior de Polícia.

Além deles, o MP denunciou outras sete pessoas por suposto envolvimento em abortos e pagamento de propina a policiais – cinco delas tiveram a prisão preventiva decretada – e, pelo menos uma já é ré em um processo por crime de aborto que tramita na 1ª Vara do Júri de Porto Alegre.

Assinada pela promotora Lúcia Helena de Lima Callegari, a denúncia contra os agentes é resultado de investigações de policiais de Canoas e da Corregedoria-geral da Polícia Civil (Cogepol), baseada em depoimentos, quebra de sigilo telefônico e escutas autorizadas pela Justiça.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, quando surgiam queixas, os policiais civis teriam se omitido de investigá-las e avisariam a clínica sobre eventuais buscas no local. Em troca, os agentes teriam recebido dinheiro. A investigação da Cogepol e do MP apontou que essa prática teria ocorrido entre novembro de 2010 e abril deste ano.

PMs integrariam esquema

Em uma conversa gravada, em 21 de março, que teria como interlocutores uma mulher da clínica, Sandra Maria Indicatti, e o policial civil Walter Reyes Boehl, eles marcariam um encontro no Centro.

–Vou levar as tuas calças, que tu mandou fazer a bainha, mas vê se tu me paga, né? Vou te dar um descontinho porque tu trouxe bastante calça dos teus amigos – disse a mulher.

No entender da Cogepol e do MP, a frase significaria que o policial estaria recebendo propina por indicar clientes para a clínica. Em outra conversa grampeada, também em 21 de março, Sandra teria feito contato com outro agente, Paulo Vladimir de Farias Quintana. Conforme a denúncia, Sandra teria, em uma agenda pessoal e na memória de celulares, números de telefones particulares e funcionais dos policiais. Sandra também teria mantido contatos com outro policial, Pedro Oldimar Diniz, que foi chefe de investigações da Delegacia de Homicídios de 2008 até o final do ano passado.

Há suspeita de que quatro PMs, até agora não identificados, davam cobertura para as atividades da clínica. Uma cópia da denúncia foi remetida para a Corregedoria da Brigada Militar. No período de interceptações telefônicas foi constatado que cinco médicos – da Serra, do Vale do Sinos e de Canoas – teriam encaminhado pacientes para a clínica.

Estimativas policiais indicam que na clínica clandestina eram feitos, em média, cem abortos por mês, a preços de até R$ 3,8 mil. A clínica funcionava em três salas do quarto andar de um prédio na Avenida Otávio Rocha, sob a fachada de uma loja de confecções, em condições precárias de higiene.

A denúncia aponta que o corretor de imóveis José Fernando de Moura seria uma das pessoas que realizava os procedimentos, e o que marido de Sandra, João Alberto Souza Carbone, atuaria como olheiro na portaria do prédio.


Contrapontos

O que diz o advogado Marcos Vinícius Barrios, defensor do policial Paulo Vladimir de Farias Quintana - “Não temos acesso ao processo. Assim que tivermos, vamos apresentar a defesa. O Quintana tem um histórico com bons serviços prestados à polícia. Não recebeu propina, e o afastamento dele das funções foi por um ato da Corregedoria”.

O que diz o policial Pedro Oldimar Diniz - Zero Hora tentou contato com Diniz por meio de três celulares dele, mas estavam desligados e deixou recado com colegas dele. Em depoimento à Cogepol, Diniz negou ter recebido propina. Afirmou que tinha passado o telefone dele para uma mulher ao investigar a morte de um médico, suspeito de praticar aborto, em outubro do ano passado.

O que diz o policial Walter Reyes Boehl - ZH tentou falar com Walter por meio de dois celulares dele, mas estavam desligados. Colegas dele informaram que não poderia informar outros contatos. Em depoimento à Cogepol, acompanhado do advogado Santo Viríssimo Camacho Rodrigues, Walter disse que investigava a clínica e negou receber propina.

O que diz o corretor de imóveis José Fernando de Moura - ZH ligou para o celular de Moura, mas estava desligado. Na casa dele, uma pessoa atendeu ao telefone e informou que ele está em viagem.

O que diz o advogado César Peres, defensor de Sandra Maria Indicatti e João Alberto Souza Carbone - “A Sandra é funcionária de uma loja de confecções. Ela responde a uma processo por aborto, que se alonga há anos na Justiça, mas ela nada tem a ver com crimes. Se tornou suspeita por causa desse processo, mas é inocente. Tanto é verdade que, quando ocorreu a batida policial na loja, não encontraram nada. O João é aposentado, presta serviço de motorista e faz entregas para a loja”.