ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 24 de setembro de 2011

O PIOR SALÁRIO - QUEIXEM-SE AO BISPO

BLOG POLÍBIO BRAGA - 23 DE SETEMBRO 2011

Governo não consegue identificar e punir os líderes das barricadas de fogo

Nesta sexta-feira de manhã uma nova ameaça física rondou a sede do governo do RS. É que um boneco foi colocado defronte a guarita policial localizada nos fundos do Palácio Piratini, devidamente fardado e portando bananas do que pareciam ser dinamites, além de um telefone celular - tudo com o objetivo descarado de sugerir uma iminente explosão.

Os manifestantes que há 40 dias incendeiam pneus e armam barricadas de fogo nas estradas, chegam cada vez mais perto do gabinete do governador Tarso Genro.

E o que faz o governo do PT ?

O governador Tarso Genro deu ordens para que a Brigada Militar (por que não a Polícia Civil ?) identifique os autores dos atentados, mas nada vai. Ele teria revelado disposição de intervir no Serviço de Inteligência da Brigada, a P2, inclusive na sua Agência Central de Inteligência.

Ao conceder aumento de 23,5% para soldados e cabos, o grosso da tropa, o governo desmontou o principal barril de pólvora, mas ao mesmo tempo meteu gasolina no barril de pólvora onde se situam sargentos, tenentes, capitães, majores e coronéis, para os quais o chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, mandou este conselho curto e grosso: "Queixem-se ao bispo (aos deputados)".

- Não se tem sequer notícias sobre o que ocorreu com um dos líderes das barricadas de fogo, o sargento Lilica, "petista, olivista, gay assumido e casado com uma lésbica", que concedeu entrevista ao jornal Zero Hora.

Matéria indicada pelo Cel Macedo.