ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

GREVE - PARALISAÇÃO DA PC PREJUDICA ATIVIDADE PM

OPERAÇÃO TARTARUGA. Paralisação de policiais civis prejudica PMs - EDUARDO TORRES, ZERO HORA 29/09/2011

O primeiro dos dois dias de paralisação da Polícia Civil prejudicou a Brigada Militar. Ontem, cinco policiais do 20º Batalhão da Polícia Militar (BPM) demoraram nove horas para registrar três prisões por tráfico na 3ª Delagacia de Polícia de Pronto Atendimento, na Capital (DPPA).

Após aguardarem das 11h às 17h, os PMs foram à Polícia Federal. Na PF, foram informados de que a quantidade de droga não era suficiente para os federias lavrarem flagrante. Encurralados, os policiais seguiram para o Fórum. Nova frustração. Após sete horas, os policiais ofereceram lanche aos presos.

O caso se resolveu só às 20h, depois de o comandante em exercício do 20º BPM, major Alexandre Beiser, ir à DPPA pedir ao delegado o término da ocorrência. No total, nove horas de saga. Por telefone, à tarde, um agente da 3ª DPPA garantiu à reportagem que o efetivo estava normal. O policial, no entanto, negou-se a transferir a ligação ao delegado:

– Só se for caso de flagrante.

A paralisação segue hoje. A polícia mantém atendimento a casos graves. A categoria reivindica aumento maior do que os R$ 91 oferecidos pelo governo do Estado.