ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

O PIOR SALÁRIO - PROTESTOS CONTINUAM APESAR DO ACORDO DOS CBs E SDs



Soldados aceitam proposta do governo, mas protestos seguem. Pneus queimados e boneco com farda da BM foram encontrados no Centro do Estado - Dico Reis / Rádio Guaíba, CORREIO DO POVO, 23/09/2011

Depois da aceitação da proposta do governo do Estado pelos soldados da Brigada Militar (BM) e da recusa dos Sargentos e dos Oficiais, um protesto de policiais militares foi registrado na madrugada desta sexta-feira. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), pneus queimados e um boneco vestindo a farda da BM foram encontrados no km 275 da BR 287, entre as cidades de Santa Maria e São Pedro do Sul, na ponte sobre o rio Ibicuí, no Centro do Estado. Após a retirada da barreira por um policial rodoviário, a rodovia foi liberada.

Nessa quinta-feira, a Associação de Cabos e Soldados da Brigada Militar (Abamf) aceitou a proposta de reajuste de 23,5% do governo do Estado. No entanto, a Associação de Sargentos, Subtenentes e Tenentes da BM rejeitou a oferta no Palácio Piratini. De acordo com o presidente da entidade, Aparício Santelano, por unanimidade, a categoria preferiu não receber aumento.

Santelano declarou que, se houve divisão na corporação, a mesma foi provocada pelo governo do Estado, que deve ser questionado sobre eventuais rachas internos. O secretário da Casa Civil, Carlos Pestana, afirmou que, diante da rejeição, os servidores insatisfeitos da Brigada Militar devem procurar os parlamentares para negociar.

Após a audiência que durou quase uma hora, Pestana anunciou que as negociações com a BM estão encerradas e que nesta sexta-feira será enviado ao Legislativo o projeto de 23,5% de reajuste salarial para soldados, 18% para sargentos e 11% para tenentes. Também nesta sexta-feira, o Executvio pretende retomar as negociações com a Polícia Civil, para poder dar atenção a demandas de outras categorias do serviço público.