ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

REAJUSTE PM - PIRATINI FECHA COM CBs E SDs E NEGOCIA COM TENs E SGTs

Piratini encaminha reajuste sem consenso. Negociação deixou como saldo um racha entre as duas associações de PMs - PEDRO MOREIRA, ZERO HORA 23/09/2011

Em reunião no Palácio Piratini na tarde de ontem, a Associação Beneficente Antonio Mendes Filho (Abamf) anunciou ter aceitado a proposta de reajuste de 23,5% aos cabos e soldados da Brigada Militar (BM). O governo encerrou as negociações e vai protocolar o projeto de lei do aumento, em regime de urgência, na Assembleia Legislativa no final da manhã de hoje. O ato ignora a insatisfação de sargentos e tenentes, que terão índice de reajuste menor. A negociação deixou como saldo um racha entre as duas associações.

Ainda que o acordo contemple uma fatia de quase 70% dos servidores ativos da corporação e acalme os ânimos da categoria, sargentos e tenentes reforçaram a negativa aos índices entre 10,5% e 18,15% oferecidos, abrindo espaço para um racha entre os policias militares que já se desenha nas suas associações de servidores.

O plano da administração é de que o reajuste (equivalente a R$ 91 para todos os policiais) já esteja na folha de outubro. Marcada para as 14h, a reunião entre os representantes do governo, o chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, e o secretário da Segurança, Airton Michels, e o presidente da Abamf, Leonel Lucas, começou com 20 minutos de atraso. Lucas defendia rejeição aos índices diferenciados e apoio ao pleito dos sargentos e tenentes para que o reajuste de 23,5% fosse estendido a todos, mas disse ter sido voto vencido.

O resultado oficial das assembleias realizadas pelas 13 regionais da associação no Interior foi divulgado ontem. A contagem revelou que nove dos núcleos foram favoráveis à proposta do governo – extraoficialmente, a posição já era conhecida desde segunda-feira.

O secretário Pestana demonstrou alívio. Após mais de 30 dias de impasse e protestos diários com queima de pneus, o chefe da Casa Civil afirmou que o projeto de lei será protocolado às 11h30min, mesmo com a negativa dos sargentos e tenentes.

– O salário do soldado, que, quando iniciamos no governo, era motivo de vergonha, será motivo de orgulho quando chegarmos ao final – disse.

Conforme o presidente da Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes, Aparicio Santellano, a categoria vai tentar impedir a votação.

– Quem detém o comando de 90% das cidades são sargentos e tenentes. O rótulo de pior salário do país passou de soldado para sargento e tenente – reclamou Santellano.


RELAÇÕES TENSAS - Rosane de Oliveira


Apesar da ameaça de um dos representantes de sargentos, subtenentes e tenentes, de que “vão se abrir as portas do inferno”, o Piratini resolveu protocolar hoje na Assembleia a proposta de reajuste aceita apenas pelos soldados, que terão 23,5%.

Aos descontentes, o governo sugeriu que procurem os deputados e peçam para serem excluídos do projeto de aumento, confiante de que ninguém abrirá mão de uma correção salarial que vai de 10,5% a 18%.

– Chegamos ao limite em termos de percentuais. Daqui para a frente, podemos negociar apenas questões pontuais com os sargentos, subtenentes e tenentes – disse o chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, depois de se reunir com os líderes dos brigadianos.