ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

domingo, 11 de setembro de 2011

CASO DE CORRUPÇÃO EM UPP

Denúncia. Confirmado caso de corrupção em UPP no Centro - O GLOBO, 11/09/2011 às 17h44m; Pablo Rebello

RIO - O comando de Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no Centro será afastado após confirmação de que um grupo de policiais recebia propina de traficantes nos morros da Coroa, Fallet e Fogueteiro. A denúncia foi publicada neste domingo no jornal O Dia. O inquérito policial que investiga o caso deve ser concluído até o fim da semana. Em entrevista coletiva realizada neste domingo em decorrência da denúncia, o comandante geral da PM, coronel Mário Sérgio Duarte, não confirmou se o comandante e o subcomandante que serão afastados estavam envolvidos no esquema de corrupção, mas prometeu punição severa para os policiais que recebiam dinheiro do tráfico, podendo até mesmo serem afastados da corporação.

- Não nos interessa ter na corporação soldados que tomaram outro caminho - afirmou o coronel. - Essas pessoas devem ser afastadas da instituição, para que isso sirva de exemplo para outras.

De acordo com nota enviada pela PM, ainda não está confirmado o afastamento, uma vez que a investigação ainda não foi concluída. Na mensagem, a corporação confirma que existe uma investigação interna, que corre sob sigilo de Justiça, conduzida pela Coordenadoria de Polícia Pacificadora, para apurar as possíveis irregularidades entre policiais da UPP das comunidades.

A PM informou, ainda, que "atua em respeito à legislação em vigor e não vai admitir desvios de condutas de nenhum de seus integrantes".
Na noite de sábado, um policial militar da UPP do Morro do Fallet / Fogueteiro foi baleado durante um tiroteio com bandidos, em Santa Teresa . De acordo com as primeiras informações da Secretaria de Segurança Pública, o agente fazia uma ronda de rotina na comunidade quando cruzou o caminho de dez homens, que estariam armados. O bando atirou contra o policial, que foi atingido por dois tiros - um na garganta e outro na barriga. O confronto aconteceu por volta das 18h, no Fogueteiro, na localidade conhecida como Cajueiro. O PM baleado estava com acompanhado por outro policial, que não foi atingido.

Já Mário Sérgio apresentou outra versão para o ocorrido. Ele disse que os policiais receberam uma informação relacionada ao tráfico de drogas na região e que, ao checarem, entraram em conflito com os bandidos.

O agente está em estado grave no Hospital Central da Polícia Militar. Um caveirão e oito homens do Bope tiveram que entrar na comunidade para resgatar os policiais. Todas as UPPs do Centro entraram em estado de alerta.
Na mensagem, a PM informou lamentar o ocorrido e estar dando todo o apoio necessário ao agente e à sua família.

O Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e o Batalhão de Choque estão reforçando o policiamento nas áreas identificadas como críticas pelos órgãos de inteligência. Eles permanecerão por tempo indeterminado, de acordo com a mensagem da PM.

PM afirma, em nota, que investigação sobre denúncia de corrupção em UPP corre sob sigilo - 11/09/2011 às 17h30m; O Globo


RIO - Sobre as denúncias de corrupção entre policiais da UPP do Centro, a Polícia Militar emitiu nota, afirmando que corre uma investigação sob sigilo de Justiça.
Leia a mensagem na íntegra:

'A respeito da informação publicada pela imprensa neste domingo (11/9), sobre denúncias de irregularidades envolvendo policiais militares da UPP
Coroa/Fallet/Fogueteiro, a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro vem
esclarecer:

1- Existe uma investigação interna, conduzida pela Coordenadoria de Polícia
Pacificadora, para apurar possíveis irregularidades entre policiais da UPP Coroa/Fallet/Fogueteiro;

2- Tal investigação corre sob sigilo de Justiça;

3- Não são verdadeiras as informações sobre o afastamento de policiais, uma
vez que a referida investigação não foi concluída;

4 - A Polícia Militar atua em respeito à legislação em vigor e não vai
admitir desvios de condutas de nenhum de seus integrantes;

5- Tão logo as investigações sejam concluídas pela Justiça, as informações
serão prestadas à sociedade;

6- Com relação à troca de tiros ocorrida no início da noite de ontem (10/9), no Fallet/Fogueteiro, informamos que infelizmente um policial militar foi
ferido e encontra-se internado no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM). A Polícia Militar lamenta o ocorrido e está dando todo o apoio necessário ao policial e sua família;

7- Após o incidente, o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e o
Batalhão de Choque estão reforçando o policiamento nas áreas identificadas
como críticas pelos órgãos de inteligência. Eles permanecerão por tempo
indeterminado;

O comando da Polícia Militar reafirma o compromisso com a política de segurança pública do Governo Estadual, com a pacificação das comunidades e a redução da criminalidade.'