ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 3 de setembro de 2011

O PIOR SALÁRIO - NOVAS MANIFESTAÇÕES DESAFIAM O GOVERNO


REBELDIA DE PMS. Novas manifestações nas rodovias desafiam Piratini. Apesar de o governo ter rompido negociações até cessarem protestos, mais bloqueios são realizados - JOSÉ LUÍS COSTA, zero hora 03/09/2011

De nada adiantou o governo do Estado romper as negociações salariais com PMs e exigir o fim dos protestos para voltar a discutir reajustes. O impasse continua. E cada vez pior, as manifestações já somam 32 em um mês. Na madrugada de ontem, menos de 24 horas depois do ultimato do Palácio Piratini, ocorreram sete queimas de pneus, recorde para uma noite.

O chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, à frente das tratativas com a entidade de classe dos PMs, evitou comentar os episódios. Mas o governador Tarso Genro não escondeu sua irritação.

– Eu até estranho que uma parte da imprensa esteja chamando isso de protesto. É ato de vandalismo. Protesto é quando as pessoas se mobilizam, vão na frente do Palácio, xingam o governador – lamentou Tarso, antes de se encontrar com a presidente Dilma Rousseff, que visitou a Expointer.

Representantes da Associação Antônio Mendes Filho (Abamf), uma das entidades que representam os PMs e que apoiou as primeiras queimas de pneus, reforçou o apelo pelo fim dos protestos.

– O governo tem dinheiro para nos dar e nós queremos esse dinheiro. Pedimos que os colegas fiquem vigilante para evitar novos atos e os responsáveis sejam identificados – disse o secretário-geral da Abamf, Ricardo Agra.

Em Esteio, cerca de 80 PMs do Vale do Sinos, ligados à Abamf, que estavam de folga, se juntaram a policiais civis, a funcionários de universidades federais em greve e a servidores dos Correios para um protesto pacífico na entrada do Parque de Exposições, com faixas, panfletos e carro de som. Na hora do discurso da presidente, parte do grupo se aproximou do palanque oficial, gritando palavras de ordem, atrapalhando momentos da manifestação de Dilma.


Câmeras flagraram ações

As investigações referentes aos protestos na Capital, na quinta-feira, e em Alvorada, na semana passada, estão mais adiantadas. Pelo menos três câmeras da prefeitura de Porto Alegre, instaladas na Avenida Mauá, flagraram homens colocando fogo em pneus. A ação durou dois minutos. Depois, eles seguiram pela Mauá em duas motos e um carro escuro. Imagens dos rostos de dois homens seriam nítidas, permitindo a identificação.

As cenas captadas na Avenida Presidente Vargas, em Alvorada, também ajudaram a identificar pelo menos um manifestante. A Corregedoria da BM recebeu as imagens, mas evita divulgar detalhes sobre o conteúdo, sob a justificativa de que vai atrapalhar as investigações.

Em nota divulgada ontem, a Associação dos Sargentos, Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar (ASSTBM) afirma que, em momento algum, patrocinou ou incentivou manifestação “ilegal” por melhores salários e que repudia os “atos radicais’’ que vêm sendo realizados.


Estradas em chamas

- Carazinho – Por volta das 5h de ontem, a rodovia Passo Fundo-Carazinho (BR-285) foi bloqueada no km 334,8, próximo ao campus da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra). Pneus foram queimados e interromperam o trânsito. A rodovia foi liberada 45 minutos depois.

- Farroupilha – No km 110 da estrada Farroupilha-Bento Gonçalves (RSC-453), por volta da 1h30min de ontem, pneus foram queimados. A estrada ficou bloqueada por meia hora.

- Garibaldi – Pneus e outros materiais foram queimados no km 102 da estrada Farroupilha-Bento Gonçalves (RSC-453), por volta das 23h30min de quinta-feira. O fogo foi contido por policiais do Grupo Rodoviário Estadual de Bento Gonçalves.

- Novo Hamburgo – Às 4h de ontem, na estrada Leopoldo Petry, bairro Lomba Grande, houve queima de pneus. Por cerca de 2h, a estrada ficou interrompida.

- Osório – Na rodovia Osório-Torres (BR-101), por volta das 4h de ontem, pneus foram queimados. A rodovia ficou interrompido por cerca 10 minutos.

- Parobé – Por volta das 5h30min de ontem, houve queima de cerca de 20 pneus no km 39 da rodovia Sapiranga-Taquara (ERS-239). O trânsito ficou interrompido por aproximadamente 30 minutos.

- Sarandi – A manifestação ocorreu às 2h30min de ontem no km 133 da rodovia Sarandi-Barra Funda (BR-386). No local, havia pneus queimados e a frase “Aumento BM ou greve já”. A estrada ficou bloqueada por 20 minutos.