ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 13 de agosto de 2011

SARGENTO É PRESO POR MORTE DE COLEGA DA BM

TIRO NA REDENÇÃO. Brigada investiga circunstâncias em que PM foi baleado em posto de batalhão - ZERO HORA 13/08/2011

A morte de um PM em serviço, ontem pela manhã, em circunstâncias ainda investigadas pela corporação, enlutou uma família e cancelou os festejos do 56º aniversário do 9º Batalhão de Polícia Militar (9º BPM). Em serviço no posto da BM no Parque Farroupilha (Redenção), o terceiro sargento Milton Bolico Marques, 43 anos, morreu atingido por um disparo de pistola .40 no pescoço.

Por causa da morte, o segundo sargento Gerson Nilo Gonçalves da Silva, 40 anos, foi preso em flagrante. Sargento Bolico, como Milton é conhecido, chegou aos posto 24 horas, nas imediações da Avenida José Bonifácio, às 6h30min. Um pouco mais tarde, foi visto pelo guardador de carros do Hospital de Pronto Socorro (HPS) Ademir Saldanha, 53 anos.

– Ele estava voltando do café da manhã. Abananou e abriu um sorriso quando me viu – relata Saldanha.

Sorriso era uma das marcas de Bolico. Bem-humorado, contava piada e criava apelidos para os mais chegados.

– Parecia uma criança grande. Ninguém ficava sério com ele por perto – lembra uma amiga policial.

Policiais militares eram amigos, afirma coronel

Por volta das 9h, Silva e um soldado estacionaram uma viatura ao lado do posto. Policial experiente, recém promovido a segundo sargento, Silva realiza a fiscalização dos PMs em serviço. Meia hora mais tarde, Saldanha, que manobrava um veículo distante 10 metros da guarita, ouviu um estampido.

– Percebi que era um tiro e imaginei que fosse um assalto. Jamais imaginei que fosse dentro do posto – recorda o guardador que trabalha na Redenção há 15 anos.

Desesperados, os policiais colocaram Bolico dentro da viatura e saíram em alta velocidade em direção ao HPS. Como ocorreu o disparo, apenas o soldado e Silva sabem explicar. Para o comandante do Policiamento Metropolitano, coronel Atamar Cabreira, há duas hipóteses mais prováveis:

– Houve negligência no manuseio da arma ou ocorreu um acidente. Sabemos que a arma não chegou a cair no chão. Não descartamos a hipótese de homicídio doloso (com intenção de matar), mas acho muito difícil que isto tenha acontecido porque os dois eram muito amigos. Vamos aguardar a perícia.

Em estado de choque, Silva chegou a ser levado para o Hospital da Brigada Militar antes de ser preso. Colega e amigo da vítima, é o principal suspeito da morte.

Zero Hora tentou conversar com familiares de Bolico, sem sucesso. No quartel, colegas da vítima foram orientados a não conversar com a reportagem. Natural de Santa Bárbara do Sul, o sargento estava na BM havia 16 anos. Ele será sepultado hoje, às 10h, no Cemitério São Miguel e Almas.