ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

PM X PC - REUNIÕES E PACIÊNCIA

POLÍCIA X POLÍCIA. Uma se reúne, a outra pede paciência - DIÁRIO CATARINENSE, 23/08/2011

Enquanto integrantes do sindicato dos Policiais Civis de Santa Catarina (Sinpol) querem providências da cúpula, o comando da Polícia Militar pede calma a seus homens. São os lados opostos da crise entre as polícias Civil e Militar, que se agravou nos últimos dias.

Líderes do Sinpol se reúnem hoje de manhã com o delegado-geral da Polícia Civil no Estado, Aldo Pinheiro d’Ávila. O presidente do sindicato, Pedro Joaquim Cardoso, explica que a reunião foi pautada com base na abordagem a um policial civil e na perseguição a uma viatura da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic) por parte da PM.

Os membros do Sinpol pedirão ao delegado-geral que tome uma atitude para acabar de uma vez com os conflitos. Conforme Cardoso, ações deixaram de ser pontuais há muito tempo e têm ocorrido em todo o Estado.

– Quem ri com isso são os bandidos, enquanto a população fica insegura. Não queremos medir forças com ninguém, queremos que a segurança pública seja eficiente.

Se os policiais Civis querem ação, o comando da PM pede calma. Em nota, o comandante Nazareno Marcineiro ressalta que “comportamentos individuais acabam produzindo efeitos capazes de expor corporações a crises de relacionamento”.

– Diante dos fatos, reiteramos a necessidade de evitarmos discussões desnecessárias, provocações e hostilidade, agindo com postura pautada no profissionalismo.