ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

EXCESSOS FARDADOS

EDITORIAL ZERO HORA 30/08/2011


A campanha por melhores salários de integrantes da Brigada Militar, que poderia se constituir numa mobilização legítima e com o apoio da sociedade, acabou se desviando para uma sucessão de episódios que não condizem com a atuação de servidores aos quais compete, entre outras atribuições, justamente a de zelar pela ordem pública. A tática adotada, com a queima de pneus para dificultar ou impedir o trânsito de veículos em vários pontos do Estado, é condenável sob todos os aspectos. Os atos configuram indisciplina interna e desafiam a hierarquia de uma força policial. Atentam contra as normas da instituição, desrespeitam comandos e, o que é mais grave, comprometem a reputação da BM.

Mas as manifestações não são apenas uma afronta sob o ponto de vista da tropa. Representam desserviço para a sociedade e um péssimo exemplo, levando-se em conta o histórico da Brigada e a reputação de uma organização dedicada ao policiamento ostensivo, que tem, pela natureza de suas tarefas, contato direto com a população. O que surpreende nas atitudes dos coordenadores dos protestos é que as sabotagens ao trânsito se repetem, apesar de uma trégua firmada entre o governo do Estado e a Associação Beneficente Antonio Mendes Filho, mesmo que oficialmente a entidade não reconheça a autoria dos atos.

Observe-se que a própria associação diz desconhecer os envolvidos na formação de barreiras de pneus queimados, que voltaram a ocorrer nos últimos dias, e também o comando da Brigada até o momento não apontou responsáveis, por falta de competência para elucidar os fatos ou por falta de disposição.

A situação salarial, em especial de soldados e cabos da Brigada, enfrenta de fato defasagem e não condiz com a importância dos serviços prestados pelos policiais militares. Se a reivindicação por melhor remuneração fosse encaminhada pelas vias convencionais, outros setores da sociedade certamente apoiariam a demanda, como ocorre eventualmente com as demais categorias de servidores públicos. A viabilidade de um reajuste depende do Estado, ao qual cabe tomar decisões a partir das disponibilidades financeiras e das prioridades. O que não pode continuar ocorrendo é a radicalização de um movimento com ações delituosas.


Resposta da ABAMF a matéria da Zero Hora ” Excessos Fardados” - PORTAL DA ABAMF, agosto 30, 2011

Durante as últimas semanas temos acompanhado na imprensa a polêmica reivindicação dos Servidores de Nível Médio da Brigada Militar. Sou policial militar a 21 anos e gostaria de expor minha opinião sobre tão polêmico problema.

Concordo com tudo que vem sendo dito que os integrantes da Brigada Militar não deveriam estar agindo da maneira que estão agindo, causando transtornos a sociedade que devem proteger. Porém, atento para a seguinte situação, estamos há 14 anos sem reajuste real de salário, quando ingressei na Brigada Militar recebia um soldo de sete salários e meio o que hoje seria a importância de R$ 4.087,50 (base o salário nacional R$ 545,00), hoje ganho dois salários e meio apenas R$ 1.332,87 tendo uma perda real de salário de aproximadamente 67%.

Fui vice-presidente da ABAMF Regional Passo Fundo e sou obrigado a discordar do Sr JOSÉ LUÍS COSTA repórter da Zero Hora que diz em uma parte de sua reportagem de título “Excessos fardados”: …Se a reivindicação por melhor remuneração fosse encaminhada pelas vias convencionais, outros setores da sociedade certamente apoiariam a demanda, como ocorre eventualmente com as demais categorias de servidores públicos.

Infelizmente a classe dos Servidores da Segurança Pública não tem voz, somos um elefante amarrado em um pé de alface, pois devido às sanções disciplinares de nosso regime temos que esperar pelo bel prazer dos governantes nos darem aumento de salário, o que não ocorre há muito tempo apenas reposição de perdas que não são suficientes para suprir nossas necessidades.

Trago ainda outro ponto para discução uma grande parte dos servidores moram em locais incompatíveis com a função que exercem, tendo que conviver no mesmo local que vivem as pessoas que tem que prender no dia a dia do trabalho. Quando sai para trabalhar é obrigado a ocultar que é policial para zelar pelo bem estar de sua família. Pergunto-vos, que tipo de segurança a população quer ter? Uma polícia incluída ou excluída da sociedade. Infelizmente hoje, temos uma polícia excluída da sociedade, pois, temos que fazer “bico” para dar uma vida mais digna para nossa família.

Somos uma classe que ainda sofremos as conseqüências pós Ditadura Militar, devido ao golpe militar os governantes com medo que ocorra novamente, estão desestruturando as polícias, acabando com a auto-estima dos servidores, pondo a população contra as instituições devido não enviarem material para realização de um trabalho de qualidade. A população não culpa o governo quando uma viatura não chega para atender uma ocorrência ela culpa a Brigada Militar a Policia Civil.

Para finalizar, vejo vários colegas perderem a vida por um salário que não condiz com nossa profissão, o que mais me entristece é velos morrer por causa de alguns trocados da população e ouvir dizerem “não fizeram mais que sua obrigação”, é ver meus colegas não verem seus filhos crescerem, pois, são obrigados a se privarem do convívio familiar para dar uma vida melhor para a família, é ver vereadores se darem 74% de aumento, é ver ser desviado milhões dos cofres públicos e ninguém ser preso, é ver que devido a morte de uma juíza está sendo feito uma mobilização para protegê-los e em contra partida morrem vários policiais e ninguém faz nada.

É errado o que está sendo feito, porém, infelizmente só assim seremos notados pela população.