ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

AGRESSÃO E ESTUPRO DE MENINA - BANDIDO IMPUNE À SOLTA


Crime sem solução, um ano depois. Atacada num matagal pelo padrasto, que continua à solta, vítima ainda sofre com o trauma. “Ela sonha com isso”, conta a mãe - ROBERTA KREMER | SANTO AMARO DA IMPERATRIZ, DIÁRIO CATARINENSE, 31/08/2011

Um ano após passar pelo terror do estupro, a menina de 11 anos violentada pelo padrasto em uma comunidade rural em Santo Amaro da Imperatriz, na Grande Florianópolis, não se recuperou do trauma. O medo persiste porque seu agressor, um homem de 31 anos que trabalhava como pedreiro, permanece foragido.

O crime ocorreu em 30 de agosto de 2010. Naquele dia, a garota aguardava o colégio, na Costeira, na Capital, abrir As portas, às 7h30min, quando o padrasto se aproximou da criança e disse que a mãe tinha sido atropelada. Preocupada, ela entrou no carro dele. O homem a embrulhou em cobertores e seguiu para Santo Amaro, onde cometeu a violência em um matagal.

O delegado de Santo Amaro, Alessandro Isoppo, conta que o autor do crime já foi indiciado por estupro e o processo foi encaminhado ao Fórum da cidade. Existe um mandado de prisão contra ele no cadastro nacional. Logo após a violência, as buscas começaram e os policiais chegaram a ir à cidade natal do suspeito, em Itapejara d’Oeste, próximo a Pato Branco (PR). Lá moram seus parentes.

– Visitamos diversas delegacias, só que ele não foi visto naquela localidade. A equipe ficou quase uma semana na região para levantar o paradeiro e interrogar moradores. Mas não conseguimos apurar nada.

Conforme a mãe da menina, uma auxiliar de serviços gerais de 34 anos, sua filha ainda não consegue dormir direito. Sempre tem pesadelos.

– Minha filha tem bastante medo, Não é a mesma de antes, vive apreensiva – lamenta a mãe, que também se sente acuada.

Ela não critica o trabalho da polícia, mas espera resultados. Além de justiça, também deseja minimizar o próprio medo, além do da filha.

– Quero vingança. Ele nunca poderia ter feito isso com a gente.

A garota continua fazendo exames médicos e terapia psicológica no Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis. Na manhã do crime, após conseguir fugir do padrasto, que carregava uma faca, a criança pediu socorro a uma agricultora, que chamou os Bombeiros. Com hemorragia e fortes dores na barriga, a menina teve que ser levado de helicóptero ao hospital, onde passou por cirurgia.

MANCHETE NO JORNAL DC - BARBÁRIE - MENINA ESTUPRADA NO MEIO DO MATAGAL - 31/08/2011 - Crime e buscas feitas no matagal pela. Polícia Militar foram destaque no dia seguinte ao crime: