ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

PIOR SALÁRIO - ONDA DE PROTESTOS NA BM PREOCUPA GOVERNO



Onda de protestos preocupa governo. Cúpula da Segurança Pública promete punição a PMs que ontem bloquearam com pneus incendiados três rodovias gaúchas - CARLOS WAGNER, ZERO HORA 25/08/2011

As rodovias gaúchas voltaram a ser iluminadas pelas chamas dos pneus queimados em protesto por melhorias salariais para os servidores da Brigada Militar (BM). Na madrugada de ontem, barreiras de fogo e fumaça bloquearam estradas em três municípios gaúchos. O pipocar de ações no Estado faz o movimento ganhar corpo, inquietando a cúpula da Segurança Pública, que promete punir os responsáveis.

– Há um processo de negociação de salários em andamento. No início do mês devemos ter uma proposta, como ficou acertado na última reunião. Portanto, não entendemos os motivos dessa postura – diz o coronel Altair de Freitas Cunha, subcomandante-geral da BM, que ontem estava no exercício do comando da corporação.

O coronel falou após reunir-se com o secretário da Segurança, Airton Michels, para discutir os protestos:

– A nossa posição sobre esta maneira de protestar é legalista. Se conseguirmos provar o envolvimento de policiais militares, eles serão punidos.

Mesmo que os envolvidos sejam identificados, o caminho para a punição é longo devido ao ritual jurídico. Se o inquérito apontar um PM como responsável, a BM abre um procedimento administrativo para aplicar as punições previstas, como detenção.

O comando da pasta descreve como radicalização na discussão salarial o uso da tática de fechar rodovias adotada pela Associação Beneficente Antonio Mendes Filho (Abamf), que representa os servidores de nível médio da Brigada Militar (BM).

Em Santa Rosa, o cheiro de borracha queimada começou a ser sentido no final da noite de terça-feira, na rodovia Giruá-Tuparendi (ERS-344), no Noroeste. No final da madrugada, o fogo interrompeu a rodovia Ivoti-Novo Hamburgo (BR-116), em Estância Velha, e a estrada Erechim-Concórdia (BR-153), em Erechim. No início da semana, houve protestos em Passo Fundo e em Tapes. Junto às barreiras são colocados cartazes e faixas pedindo a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 300 (veja quadro nesta página).

Em Frederico Westphalen, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) prestou queixa na Polícia Civil. Nas outras manifestações, o procedimento dos policiais rodoviários foi semelhante, informa o Alessandro Castro, chefe da comunicação social da PRF.


A reivindicação - PMs descontentes vêm bloqueando rodovias no Estado desde o início do mês. A categoria reivindica a aprovação da PEC 300:

- A Proposta de Emenda à Constituição 300 propõe que os salários dos policiais militares, bombeiros e policiais civis de todo o país sejam equiparados aos dos do Distrito Federal, os mais bem pagos do Brasil.

- Segundo a Secretaria a Fazenda, o piso salarial de um soldado da BM, que é de R$ 1,2 mil, passaria para R$ 3,5 mil.

- Por se tratar de uma mudança da Constituição de 1988, a PEC 300 precisa ser aprovada em dois turnos na Câmara dos Deputados.

- No ano passado, ela foi aprovada no primeiro turno. Atualmente, está em uma comissão especial da Câmara onde estão sendo feitos ajustes, reivindicados pelos deputados. Poderá ir a votação no próximo mês.

AS CHAMAS DOS PROTESTOS

- 4 de agosto – Pneus incendiados foram postos na estrada Carazinho-Iraí (BR-386), em Frederico Westphalen, impedindo o trânsito na rodovia por mais de uma hora.

- 22 de agosto – A estrada Passo Fundo-Carazinho (BR-285) foi bloqueada às 4h30min por pneus incendiados. A pista foi liberada uma hora depois, após a ação dos bombeiros.

- 23 de agosto – Nova barreira de pneus em chamas bloqueou por cerca de uma hora a rodovia Porto Alegre-Pelotas (BR-116) em Tapes, durante a madrugada.

- 23 de agosto – No final da noite, pneus foram incendiados na rodovia Giruá-Tuparendi (ERS-344), em Santa Rosa. O trânsito ficou interrompido por uma hora. Foi o único ataque em rodovia estadual.

- 24 de agosto – A rodovia Ivoti-Novo Hamburgo (BR-116) ficou interditada por uma hora em Estância Velha. Pneus espalhados pegaram fogo desde às 5h.

- 24 de agosto – O fogo gerado pela queima de pneus às margens da rodovia Erechim-Concórdia (BR-153) surpreendeu motoristas que passavam pela via às 4h30min. A estrada não foi interditada.



COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - A culpa disto tudo dos políticos com mandato no Legislativo e no Executivo que governaram e governaram o Estado do Rio Grande do Sul, um dos mais ricos da federação, com políticas salariais miseráveis e depreciativas do valor, do esforço e da dedicação ao povo gaúcho dos agentes da saúde, educação e segurança. Militares sem direito à greve para reclamar, policiais que arriscam a vida no enfrentamento da bandidagem e bombeiros nos perigos que envolvem os sinistros e calamidades públicas, os brigadianos recebem o pior soldo pago para militares estaduais em todo o Brasil. Não reconhecem a história, não valorizam a dedicação ao serviço público, se lixam para a saúde do agente público, toleram o "bico", e ainda estimulam lideranças paralelas, intrometendo ideologias e privilégios partidários dentro dos quarteis e aliciando militantes através de promoções rápidas, assessoria de gabinetes e incorporações salariais que distorcem a paridade e a hierarquia. Se estiver equivocado, por favor, me acordem!