ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

GRUPO DE 330 PESSOAS ATACA POLICIAIS QUE MULTAVAM CARROS MAL ESTACIONADOS


População ataca policiais em Piracicaba (SP) - RAPHAEL VELEDA DE SÃO PAULO - FOLHA.COM, 07/08/2011 - 21h13

Um grupo de cerca de 300 pessoas atacou policiais rodoviários estaduais com pedras, latas e garrafas na tarde deste domingo (7) em represália à uma operação que multou carros estacionados irregularmente em frente a um parque de exposições em Piracicaba (160 km de São Paulo), na SP-135.

A informação é da própria Polícia Rodoviária Estadual.

A tropa de choque e o helicóptero da Polícia Militar foram chamados e a situação se acalmou. Ninguém se feriu, segundo a PRE.

De acordo com a corporação, cerca de seis policias rodoviários foram fazer um operação no Parque Unileste, onde ocorria uma cavalgada. Além dos carros parados no acostamento, alguns veículos eram usados para comercializar bebidas às margens da rodovia, o que é proibido.

"Pedimos a colaboração da população antes de começarmos a autuar, mas não houve resposta positiva", disse o segundo tenente Tarcísio Pierobom, que liderava a operação. "O pessoal atacou a força policial com muitas pedras, garrafas, latas, tampinhas... Pedimos o reforço", contou.

De acordo com o tenente, com a chegada da tropa de choque e do helicóptero, as pessoas se acalmaram, deixaram de atacar as autoridades e permitiram uma varredura. Ninguém foi preso.

A operação da PRE continuou e resultou na autuação de oito motoristas alcoolizados. Eles fizeram o teste do bafômetro, que registrou a presença de álcool no sangue, foram multados em R$ 957,70 cada um e tiveram a carteira de habilitação apreendida. O mesmo aconteceu com outro condutor, que se recusou a fazer o teste.