ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

CRÍTICAS - PM DO RIO RETIRA ESCOLTA DE DELEGADO AMEAÇADO

PM retira escolta de Alexandre Neto após críticas à corporação - Jorge Antonio Barros , REPÓRTER DE CRIME, O GLOBO - 17.8.2011 | 23h47m

Enquanto se discute se a juíza Patrícia Acioli precisava ou não receber proteção policial - por conta das ameaças e do alto risco de seu trabalho - o delegado Alexandre Neto teve a escolta reduzida por ordem da cúpula da Polícia Militar do Estado do Rio. O delegado Neto foi alvo de atentado a tiros em setembro de 2007 e sofreu ameaças detectadas em escuta telefônica durante a Operação Guilhotina, da Polícia Federal, que desmantelou quadrilha formada por policiais civis e miltares agindo dentro da Polícia Civil. Neto já havia contribuído com a investigação da Polícia Federal que resultou na prisão do ex-chefe da Polícia Civil, do Rio, Álvaro Lins, suspeito de envolvimento com a máfia dos caça níqueis.

O delegado Neto tem uma escolta formada por policiais civis e militares, que foi determinada pelo Ministério Público Federal com total apoio do secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, cioso de seu dever de proteger policiais honrados que atuam em defesa da sociedade. Esta semana os quatro policiais que participam da proteção de Neto foram chamados ao quartel-general da PM e informados que eles seriam removidos do serviço. De fato, o boletim interno da Polícia Militar, de número 151, do dia 16 de agosto deste ano, comunica a transferência dos seguintes policiais: subtenente Osmar, sargento Gilson, cabo Ícabo e soldado Osmar. O subtenente foi mandado para Caxias. O soldado Osmar será enviado para Belford Roxo. O sargento Gilson para Magé. E o cabo Ícabo para Nova Iguaçu. Os policiais foram mandados para bem longe de suas casas, como se estivessem sofrendo um castigo por terem aceitado a trabalhar com o delegado.

Esses quatro policiais conquistaram a confiança do delegado Alexandre Neto pelos bons serviços prestados à Delegacia Anti-Sequestro (DAS), onde Neto trabalhara até sofrer o atentado, que acabou levando-o a uma aposentadoria precoce. O boletim da PM não explica afinal por que o comando decidiu remover os quatro policiais justamente na semana em que uma autoridade do Poder Judiciário teve a excecução muito facilitada por não dispor de uma escolta do Tribunal de Justiça. A falta de escolta não impediria que a juíza fosse morta, mas com certeza a presença de proteção policial dificultaria bastante a ação dos assassinos.

O boletim da PM não explica mas não posso deixar de registrar a estranha coincidência de os PMs terem sido removidos da escolta no dia seguinte ao texto de Alexandre Neto, neste blog, no qual foi apresentada a proposta de que a Polícia Militar também fosse responsabilizada pela morte da juíza, já que próxmo ao local onde ela foi morta há um DPO (Destacamento de Policiamento Ostensivo), da PM, onde nada foi visto, ouvido ou sabido. O que reforçaria a hipótese de que houve policiais na cobertura do comboio aassasino ou fizeram vista grossa para o crime.

Obviamente não quero crer que a escolta de Neto tenha sido removida por que ele exerceu o mais simples direito de todos nós neste blog, que é o de nos expressarmos livremente, sem qualquer censura. Se isso for verdade, a situação é mais grave do que imagino. Sendo assim, teria que imaginar que a cúpula da PM não apenas não sabe conviver com as críticas como é rápida na retaliação de seus críticos, enquanto que deveria ser urgente, isso sim, no combate ao crime e a todo tipo de criminoso. Se parar por aí, menos mal. O pior agora é termos mais uma morte anunciada, dessa vez com um empurrãozinho da cúpula da PM.