ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

GUARITAS DE RUA: LINHA DIRETA COM SEGURANÇA


SEGURANÇA. Guaritas de ruas deverão ter linha direta com segurança. Projeto visa dar mais segurança a vigias e aos moradores FERNANDA WESTERHOFER/DIVULGAÇÃO/JORNAL DO COMERCIO - 13/02/2012 - 19h12min


Foi aprovado pelo plenário da Câmara Municipal de Porto Alegre, nesta segunda-feira (13), o projeto de lei complementar do vereador Luiz Braz (PSDB) que defende a obrigatoriedade da disponibilização de linha de comunicação direta com a segurança pública nas guaritas da Capital.

A proposta altera a Lei Complementar nº 219, de 1990, que dispõe sobre a utilização de espaço nos passeios públicos para a construção de guaritas. Braz justificou sua proposta observando que a LC 219/90 dispõe sobre a construção de guaritas nos passeios públicos, mas deixa o vigia sem nenhuma segurança no caso de qualquer ocorrência – furto, roubo e outras.

"Em 24 de março de 2009, Porto Alegre foi abalada com um novo tipo de crime. Um vigia de rua foi executado dentro de uma guarita situada na Rua Domingos José de Almeida, no Bairro Rio Branco. Como se constata, a vigilância de rua feita numa guarita, na forma como foi concebida, não traz segurança alguma, tanto para quem paga o vigia como para quem presta o serviço", lembrou o autor do projeto em nota divulgada pela assessoria.

O estabelecimento de uma linha direta com o órgão de segurança pública, segundo Braz, visa a facilitar que as pessoas possam relatar, de maneira instantânea, fatos ocorridos na área de atuação da guarita. "A população ficará mais segura, e o vigia atuará como uma espécie de informante do órgão de segurança pública sobre qualquer ato criminoso na sua área de atuação", concluiu.