ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

GREVE PMBA - OFICIAIS DECIDEM NÃO ADERIR À GREVE

Às vésperas do carnaval. Oficiais da PM decidem não aderir à greve na Bahia. Ontem, em nova assembleia, os policiais militares decidiram continuar a greve e devem reavaliar os rumos do movimento na tarde desta sexta-feira - ZERO HORA ONLINE, 10/02/2012 | 09h09

Os oficiais da Polícia Militar da Bahia decidiram não aderir à greve iniciada pelos praças há 11 dias. A decisão foi tomada em assembleia que não obteve quórum suficiente para deliberação. O comandante da Polícia Militar da Bahia, coronel Alfredo Castro, participou da reunião e, de acordo com o presidente da Associação de Oficiais da Polícia Militar da Bahia, tenente coronel Edmilson Tavares, pediu um voto de confiança.

A decisão de não aderir à greve foi tomada pensando também na proximidade do carnaval.

— É claro que há um sentimento de revolta dos policiais e sabemos que as reivindicações são justas. Há um compromisso assumido pelo governador Jaques Wagner que não foi cumprido. No entanto, a população já sofreu demais e não podemos prejudicar ainda mais a população em um momento como este: às vésperas do carnaval — disse Tavares.

Ao final da assembleia, alguns oficiais que defendiam a entrada na greve se revoltaram. Tavares informou que haverá um esforço das associações de praças que dialogam com o governo para tentar convencer os grevistas a voltar ao trabalho.

— Estamos fazendo isso em respeito ao povo. O governo não merecia. Não entramos em greve porque tivemos o compromisso do governo de voltar a negociar depois do carnaval. Esse compromisso foi assumido na presença de representantes da Defensoria Pública, da Ordem dos Advogados do Brasil e do arcebispo de Salvador, Murilo Kriger. Vamos ver se dessa vez esse acordo será cumprido — explicou.

Os oficiais, assim como os praças, querem o pagamento do quarto nível de gratificação, a chamada GAP 4, em março deste ano, e pagamento do quinto nível de gratificação, a chamada GAP 5 em março do ano que vem. O governo propôs começar o pagamento em novembro deste ano e concluir em 2015.

— Essa proposta é uma afronta a nossa categoria — disse Tavares.

Ontem, em outra assembleia realizada pelos praças, os policiais militares decidiram continuar a greve, mesmo depois da desocupação do prédio da Assembleia Legislativa, ocorrida na manhã. A decisão foi tomada em assembleia no Ginásio dos Bancários, na Ladeira dos Aflitos, no centro de Salvador.

Hoje, esses mesmos policiais marcaram uma nova reunião para as 16h, com a finalidade de reavaliar a continuidade do movimento. Desde o início da greve até esta sexta-feira, a Secretaria de Segurança Pública já contabilizou 160 assassinatos. Durante a noite, as ruas da capital baiana estão vazias. A maior parte dos shows e ensaios dos blocos foi cancelada. Os shoppings fecham as portas às 20h.