ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

DEPUTADA DO PSOL FALA SOBRE ESTRATÉGIAS PARA GREVE NO RIO



Escuta mostra que Daciolo falava com deputada Janira Rocha sobre greve. Bombeiro foi preso ao voltar da Bahia por crime militar. Do RJTV - G1, 09/02/2012 13h22


Escutas autorizadas pela Justiça mostram que o cabo Benevenuto Daciolo, do Corpo de Bombeiros, foi orientado sobre estratégias para mobilização para a greve no Rio pela deputada estadual do Psol Janira Rocha. A deputada reconheceu que a voz na gravação é dela.

Daciolo está preso desde a noite de quarta-feira (8) por crime militar. Segundo o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Sérgio Simões, ele foi levado para Bangu 1 e ficará preso administrativamente por 72 horas.

Em telefonema, enquanto ele estava na Bahia, o cabo ouve da parlamentar uma recomendação para que tente influenciar o movimento dos grevistas baianos a não fechar acordo com o governo, pois isso enfraqueceria uma possível greve no Rio.

Janira Rocha : Daciolo, Daciolo, presta atenção. Está errado fechar a negociação antes da greve do Rio...

Daciolo: Tudo bem, tudo bem... sabe o que vou fazer agora??? Ligue para ele que eu vou embora daqui, não vou ficar mais aqui.

Janira Rocha: Eles não querendo que você avalize um acordo antes da greve do Rio. Depois da greve do Rio, muda tudo. Sabe como você vai ajudar eles? Voltando para o Rio, garantindo aqui. O governo vai fazer uma propostinha rebaixada para vocês, vai melhorar um pouquinho esse negócio que eles colocaram. E acho...se vocês garantirem a greve aqui, a mobilização aqui, vocês vão ajudar eles a liberar o Prisco, a ter uma negociação...

Cabral solicita gravações

O governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral solicitou ao governo da Bahia as cópias das gravações telefônicas, nas quais o Daciolo planejava estratégias de deflagração de atos grevistas no Rio. As escutas foram exibidas no Jornal Nacional nesta quarta-feira (8).

Em nota enviada à imprensa, Cabral diz que seu objetivo "é que sejam tomadas as providências cabíveis para a manutenção da ordem pública no Estado do Rio de Janeiro".

Confira a íntegra da mensagem enviada por Cabral ao governador Jacques Wagner.

"Prezado Governador Jacques Wagner,

Tomei ciência pelo Jornal Nacional, da Rede Globo de Televisão, que o bombeiro militar do Estado do Rio de Janeiro, cabo Benevuto Daciolo, manteve conversas telefônicas, gravadas com autorização da Justiça, com diversos interlocutores, nas quais planejava estratégia de deflagração de atos grevistas no meu Estado que, se deflagrados, colocariam em risco a ordem pública.

A fim de que eu possa tomar as providências cabiveis para a manutenção da ordem pública no Estado do Rio de Janeiro, solicito que me sejam enviadas cópias de todas as gravações que tenham tido como interlocutor o bombeiro militar acima referido ou qualquer outro servidor do Estado do Rio de Janeiro.

Agradeço desde já a colaboração do Estado da Bahia na manutenção da ordem pública no Estado do Rio de Janeiro.

Abraços, Sérgio Cabral"

Outro lado - Ouvido pela equipe do Jornal Nacional por telefone, o cabo Daciolo disse não se recordar da conversa gravada e alegou estar participando de um movimento pacífico na Bahia.