ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

GREVE PMBA - MANIFESTANTES DESOCUPAM PRÉDIO DO LEGISLATIVO

PMs desocupam Assembleia no 10º dia de greve - Da Redação - A TARDE ONLINE, 09/02/2012 às 06:22

Os policiais militares desocupam a Assembleia Legislativa da Bahia, nesta quinta-feira (9), décimo dia de greve da categoria. A movimentação de rendição começou nesta madrugada, quando cinco manifestantes deixaram o acampamento.
Por volta de 1 hora, advogados chegaram ao local para negociar a entrega do presidente da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares (Aspra), Marco Prisco, que tem mandado de prisão em seu nome.

Nesta manhã, por volta de 6h30, mulheres e homens começaram a deixar a Assembleia. As primeiras informações são de que os grevistas vão sair em pequenos grupos. Entre 250 e 300 pessoas estão no Parlamento. Prisco deve ser o último a deixar o local.

Os PMs passam por revista e quem não tem mandado de prisão em seu nome é liberado.

As tropas federais armaram um gradil de isolamento, por onde os grevistas passam para sair. Ônibus estão estacionados no local. Familiares e PMs grevistas acompanham a movimentação do lado de fora do Parlamento.


Gravações comprometem chefe de motim na PM. Luana Rocha, A TARDE ONLINE, 09/02/2012 às 02:15

Escutas telefônicas realizadas pela Secretaria da Segura Pública da Bahia (SSP-BA), com autorização da Justiça, apontam que o principal chefe da greve da PM, o ex-soldado Marco Prisco, incitou ações de vandalismo durante a paralisação dos policiais. As conversas mostram, ainda, a intenção de expansão do movimento para o Rio de Janeiro, São Paulo e outros estados.

De acordo com as gravações, o grupo também planejava uma greve conjunta para inviabilizar o Carnaval na Bahia e no Rio, com a possibilidade de chegar a São Paulo. As escutas são parte das investigações da SSP-BA sobre possíveis ilegalidades cometidas pelos policiais militares durante a paralisação. O titular da SSP-BA, Maurício Teles Barbosa, afirmou ao A TARDE que há outras gravações em que Prisco incitaria mais atitudes violentas: “A nossa intenção é mostrar que existem outros interesses por trás da manifestação”.

Em gravação do último dia 5, Prisco convoca o presidente da Associação de Policiais e Bombeiros da Bahia (Aspojer), David Salomão, e a Companhia de Ações Especiais No Sudoeste e Gerais (Caesg). Em resposta, Salomão promete queimar veículos.
Assista ao vídeo em que aparece o telefonema de Prisco:

“Incompleta” - Também ouvido pela equipe de reportagem, Marco Prisco alegou que a gravação divulgada estaria “incompleta”, e que ele teria, em uma nova ligação para Salomão, recomendado “que ele ficasse calmo e permanecesse no quartel. Eu só pedi para ele vir para cá. Isso está claro. A gravação não dá prosseguimento”.
Segundo ele, “quando falo em fechar a BR é para fechar com ônibus”. Prisco negou que estivesse participando de um amplo movimento para a aprovação da PEC 300, que cria um piso nacional para policiais e bombeiros militares. “Todo mundo sabe que sou favorável à PEC 102. Não tenho nada a ver com a articulação”, afirmou. A PEC 102 prevê a criação de uma polícia única no Brasil.

Políticos - Segundo nota no site da revista Veja, o deputado federal Anthony Garotinho (PR) estaria incentivando o cabo Daciolo, da PM carioca, a entrar em greve no Rio. Por meio de um blog pessoal, Garotinho negou. Outro nome citado pelo site é o da deputada estadual Janira Rocha (PSOL-RJ).