ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

EXECUÇÃO DE INSPETOR PODE TER PARTICIPAÇÃO DE POLICIAIS ENVOLVIDOS COM TRÁFICO

Inspetor executado. Policiais envolvidos com tráfico de drogas podem ser os mandantes de assassinato de colega. Pista de que agente da Polícia Civil pode ter sido morto a mando de colegas surgiu em escutas de investigação sobre traficantes - José Luís Costa, ZERO HORA ONLINE, 29/02/2012 | 03h44

Após um ano e meio de mistério, começam a surgir pistas para elucidar o assassinato do inspetor da Polícia Civil Sérgio Luiz de Vargas, 54 anos. Dois suspeitos de matar o agente foram identificados e uma das linhas de investigação surpreende:

Vargas teria sido vítima de uma queima de arquivo, ordenada por policiais civis envolvidos com o tráfico de drogas.

A vítima representaria perigo a ex-colegas, um deles já preso, porque saberia algo contra os policiais. Os nomes são mantidos em sigilo.

Vargas foi atacado dentro de casa, em agosto do 2010, no Jardim Leopoldina, na zona norte de Porto Alegre. Dois homens desarmaram o policial e o obrigaram a se ajoelhar. Em seguida, um dos criminosos atirou contra a nuca do inspetor, em uma cena típica de execução. Vargas resistiu ao tiro, mas morreu quatro dias depois.

As buscas aos assassinos começaram pela 18ª Delegacia da Polícia Civil da Capital — onde a vítima trabalhava como plantonista —, responsável pela investigação de crimes na região do assassinato.

Até retrato falado e telefones para receber informações anônimas foram divulgados, sem sucesso. As pistas surgiram em outra delegacia, a 12ª DP, no bairro Sarandi, em meio a um trabalho em conjunto com o Ministério Público, em 2011.

Ao mapear uma quadrilha envolvida com tráfico de drogas, foram presos dois policiais — um da Civil e outro da Brigada Militar (BM) —, suspeitos de cobrar propina para dar proteção a traficantes.

Durante a investigação, em uma das escutas, chamou a atenção a frase de um traficante que teria relação com os policiais presos. Ele teria informado ao interlocutor por telefone:

– O serviço tá pronto. O “rato” do Leopoldina já era.

Suspeito de ter executado o policial está preso

A partir daí, o traficante e um comparsa dele foram identificados. Um foi preso e outro está desaparecido com ordem de prisão decretada. Inicialmente, o homem capturado foi reconhecido por foto, mas depois, frente a frente com o suspeito, a testemunha voltou atrás.

O caso chegou ao conhecimento do Grupo de Controle Externo da Atividade Policial do Ministério Público que acionou a Corregedoria da Polícia Civil e o Departamento Estadual de Investigações Criminais.

O traficante preso também é suspeito de envolvimento na morte de um soldado da BM em 2006.


Relembre o crime

- Por volta das 10h do domingo, 22 de agosto de 2010, o inspetor Sérgio Luiz de Vargas, 54 anos, se preparava para um almoço de família, quando dois homens invadiram a casa dele, no Jardim Leopoldina, zona norte de Porto Alegre.

- A dupla pegou a pistola calibre .380, de uso particular. Obrigado a se ajoelhar, Vargas foi alvejado por um tiro na nuca diante de parentes.

- Os bandidos fugiram levando a arma de Vargas e a chave do carro dele. A dupla era esperada por dois comparsas que estavam em um Civic azul parado em uma esquina.

- Vargas morreu quatro dias depois.