ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

PMs ORIENTAVAM BANDIDOS QUE EXPLODIAM CAIXAS ELETRÔNICOS

PM orientavam criminosos de dentro da viatura - JORNAL DA TARDE, 31 de maio de 2011 - FELIPE TAU

Policiais militares em serviço utilizavam viaturas da corporação para dar cobertura a criminosos que explodiam e roubavam caixas eletrônicos em São Paulo. Dos carros oficiais, monitoravam a movimentação de outras unidades da PM por meio dos radiocomunicadores. A informação foi dada nesta terça-feira pelo Departamento de Investigações Sobre Crime Organizado (Deic), após a prisão de quatro PMs, um ex-PM – expulso por brigar com outros policiais no trânsito – e mais dois suspeitos de pertencerem a uma das quadrilhas responsáveis pela onda de ataques na Grande São Paulo. Com a ação são sete o total de policias militares presos desde o fim de semana. Três, do mesmo bando, foram detidos no sábado.

Os PMs acompanhavam a movimentação de outras viaturas via rádio e avisavam os bandidos para fugirem. Em outros casos, despistavam policiais que se aproximavam para fazer o patrulhamento. Durante a investigação foram feitos grampos de conversas telefônicas com autorização da Justiça. “Meu, você não acredita. Acendeu! Vai explodir”, é o trecho de uma gravação de conversa através de celular entre um PM, de dentro da viatura, e um comparsa que estava perto do caixa que seria arrombado.
Na operação, chamada Caixa Preta, foram presos quatro suspeitos na capital e três na Grande São Paulo: Diadema, São Bernardo do Campo e Taboão da Serra. Foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão.

André Luis Leite, de 41 anos, é apontado como o líder da quadrilha e o responsável por aliciar policias. O soldado João Paulo Victoriano de Oliveira, de 31 anos, por sua vez, seria o coordenador das ações na zona sul da cidade. De acordo com a Polícia Civil, o grupo está envolvido em pelo menos mais sete crimes. Entre os de maior repercussão estão dois ataques a caixas eletrônicos, em abril. O primeiro ocorreu na Avenida do Cursino, e deixou um policial morto. O segundo foi no Ipê Clube, no Ibirapuera. A ação deixou três mortos.

Entre os detidos, há dois sargentos e dois soldados. Dois deles atuam no Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran). Outros dois atuam no 46º e no 1º batalhões. O policial afastado foi expulso da corporação no começo do ano.

As prisões foram feitas por 60 homens da Delegacia de Repressão a Roubos, do Garra e do setor de inteligência da Polícia Civil. Eles partiram do Deic às 6 horas e concluíram o trabalho no início da tarde. Foram recolhidos celulares, rádios, armas de brinquedo – usadas para treinamento – e um Chrysler 300C, que custa entre R$ 185 e R$ 245 mil.

Segundo o diretor do Deic, delegado Nelson Silveira Guimarães, as investigações começaram há dois meses e meio e apontam a existência de quatro quadrilhas, todas com relações entre si. “Isso é só a ponta do iceberg”, disse o delegado em entrevista coletiva após a operação. Ele não quis informar o total de policiais investigados e negou a presença de policias civis na lista.

Os PMs detidos deixaram a sede do Deic às 18h e foram levados ao Instituto Médico Legal (IML) para exame de corpo de delito. Eles tiveram prisão temporária decretada e ficarão no Presídio Romão Gomes.