ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

A DANÇA DOS CAPITÃES

WANDERLEY SOARES, REDE PAMPA, O SUL, Porto Alegre, Quarta-feira, 15/062011.

A dança dos Capitães

O efetivo de capitães da Brigada Militar é defasado e, com razão, os existentes preferem os gabinetes nos quais, sem correr os riscos inerentes ao policiamento ganham soldos mais elevados.

Todos os batalhões operacionais da Brigada Militar estão com falta de capitães, alguns até com 70% de claros.

Ocorre que embora faltem 270 capitães em toda a Brigada, dos existentes, 40 estão em atividades administrativas no quartel-geral e diretorias e, igual número, encontra-se à disposição de outros órgãos e instituições que nada têm em comum com a segurança pública.

Muitos capitães preferem, evidentemente, o conforto dos gabinetes ao embate do policiamento ostensivo que é deveras estressante e com menores soldos.

Da turma de 2008, por exemplo, cerca de 10 novas capitãs exercem atualmente atividades burocráticas, possuindo pouca ou até nenhuma experiência real de rua. Elas estão no quartel-geral, na Rua da Praia, em funções de controle de efetivo, comunicação social, gabinete do comandante-geral, Comissão de Promoções e na Casa Militar.

Esse quadro indica que o "novo jeito de governar", que era de Yeda Crusius, ainda vigora na Praça da Matriz.

Pacotarso

A Ugeirm/Sindicato, que representa os profissionais de nível médio da Polícia Civil, suspendeu a paralisação que estava marcada para hoje. Apenas continuará de olho no pacote do Piratini, cognominado de Pacotarso. O Sindicato dos Servidores Penitenciários também suspendeu a paralisação dos servidores penitenciários prevista para ocorrer, em todos os presídios gaúchos, durante o dia de hoje. A manifestação foi transferida para o próximo dia 27.

PMs investigados

A Polícia Civil investiga participação de brigadianos em assalto a um posto de combustíveis no bairro Rubem Berta, na Zona Norte de Porto Alegre. De acordo com relatos do segurança do estabelecimento, dois supostos PMs chegaram fardados num Prisma com adesivos característicos da corporação e giroflex ligado. O carro estava sem placas e a identificação do número do batalhão estava tapada. Em seguida, apareceram três homens com toucas ninjas. O segurança contou que foi levado por um do supostos PMs até um caminhão onde foi sedado. O grupo levou dinheiro do cofre. O comandante do 20 BPM, tenente-coronel Paulo Quadros, trabalha com duas possibilidades: envolvimento de PMs ou uma quadrilha usando veículo parecido com viatura.