ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

POLICIAIS DE MINAS REJEITARAM REAJUSTE DE 72% EM 4 ANOS

Policiais militares e civis não aceitam proposta de reajuste. Governo de Minas Gerais ofereceu reajuste de 72% em quatro anos para todas as categorias - Flórence Couto e Renata Evangelista - Repórteres - HOJE EM DIA, 6/06/2011 - 16:11

Os policiais militares e civis e os bombeiros não aceitaram o reajuste salarial de 72% até 2015, oferecido pelo Governo de Minas Gerais. Na tarde desta segunda-feira (6), as entidades de classe se reuniram com a secretária de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), Renata Vilhena, que apresentou a proposta. A Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares (Aspra-PM/BM) e o Sindicato dos Servidores da Polícia Civil (Sindpol/MG) anunciaram que as categorias decidirão se aceitam o reajuste proposto na próxima quarta-feira (8).

Conforme a assessoria de Imprensa do Governo, o aumento entraria em vigor a partir de dezembro deste ano, quando os salários seriam reajustados em 7%. O restante seria em outubro de 2012 (10%), agosto de 2013 (13%), junho de 2014 (15%), dezembro de 2014 (12%) e abril de 2015 (15%). O reajuste linear, aumento sobre aumento, seria de 97% nos quatro anos e beneficiaria ativos, inativos, pensionistas e funcionários civis.

Segundo o presidente do Sindpol/MG, Denilson Martins, o Governo não atendeu os pedidos dos policiais civis, como a ampliação do efetivo e a correção de distorções salariais existentes entre delegados e peritos e médicos legistas. "Estamos com o mesmo efetivo da década de 1980, ou seja, 9.500. Segundo uma Oscip contratada pelo próprio Governo, 18.500 policiais seriam necessários hoje", reclamou o presidente do Sindpol.

Denilson lembrou que todos os funcionários da Polícia Civil querem reajuste de 100%. Os delegados, investigadores e escrivães também solicitam 40% referente ao adicional de periculosidade. "Queremos o que ele (Antonio Anastasia) prometeu em 2004 e que cumpriria até 2010", disse Denilson, se referindo à promessa feita pelo atual governador, quando ele ainda era secretário de Planejamento.

Atualmente, segundo o Sindpol, os investigadores e escrivães têm vencimento de R$ 2.041. Já médicos legistas e peritos recebem R$ 4.420, mais 40% de adicional de risco de contágio. O delegado recebe R$ 5.700 e os funcionários do setor administrativo têm vencimento de R$ 369 mais os quinquênios.

Em nota, a Aspra-PM/BM informou que não concordou com a proposta apresentada pela Seplag. A associação convocou uma assembleia na próxima quarta-feira (8), às 14 horas, no Clube dos Oficiais (COPM). Na ocasião, policiais e bombeiros militares decidirão se aceitam os reajustes apresentados.

No mesmo dia, o Sindipol realiza uma assembleia. A reunião será na Praça da Liberdade, às 14 horas.