ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 21 de junho de 2011

BM EXPULSA PM QUE MATOU JOVEM BOXEADOR


BM expulsa policial que matou atleta promissor. Assassino de Tairone teve processo de exclusão concluído em apenas 90 dias - ZERO HORA 22/06/2011


Foi como uma vitória em cima do ringue. Essa foi a definição do treinador de Tairone da Silva, 17 anos, uma das maiores promessas do boxe gaúcho, sobre a expulsão, ontem, do soldado da Brigada Militar (BM) que assassinou o jovem, em 11 de março.

A notícia chegou por telefone a Anildo Pereira dos Santos, para quem o pupilo era quase um filho. Ao longo do dia, Santos pegou o telefone dezenas de vezes para conversar sobre a novidade com amigos e familiares do boxeador. Preso, o PM Alexandre Camargo Abe, 29 anos, deixou de ser policial ontem com a publicação de seu afastamento no Diário Oficial do Estado. Para o treinador e a família, serviu como um alento de que é possível haver justiça:

– O cara era policial, todo mundo achava que não ia dar em nada.

A família de Tairone não mora mais em Osório. A mãe dele, a agente de saúde Cláudia da Silva, 44 anos, se mudou com o marido, Carlos Roberto, para Atlântida Sul. Depois de 43 anos morando em Osório, não conseguiam suportar o peso da morte do filho.

– A gente era feliz ali. No momento em que ocorreu o crime, morreu tudo para mim. É só chegar em Osório que começo a passar mal – disse Cláudia.

Tairone foi morto com dois tiros depois de passar na frente da casa do policial, na Rua Farrapos. A investigação apontou que o PM tinha ciúmes do rapaz, considerado uma revelação nacional, bicampeão gaúcho de boxe e nome forte para competir na Olimpíada de Londres, no ano que vem.

O comandante-geral da BM, coronel Sérgio Abreu, explicou que o processo de licenciamento de Camargo foi rápido – durou 90 dias – porque ele não tinha estabilidade, adquirida com cinco anos de serviço – período que Camargo completaria este ano. O processo passou pelo comando regional da BM em Osório, foi encaminhado à corregedoria, chegou à Procuradoria-Geral do Estado e acabou no Diário Oficial. Para o coronel, ficou claro que Abe não tinha condições de ser policial.

– Não é só o fato do homicídio. É a conduta que ele teve, a forma que agiu em uma situação aparentemente sem uma motivação – afirmou o oficial.

O boxe perdeu um nocauteador, avalia o técnico. Santos treina 350 garotos, e confia que um dia surgirá outro como ele. Já um novo Tairone na família Silva virá em nome. Uma irmã dele está grávida, e o neto de Cláudia e Carlos Roberto será batizado com o nome do tio que não conhecerá.


O crime

- Tairone da Silva, (na foto, ao lado da mãe, no dia em que seria assassinado) foi morto com dois tiros em Osório, em 11 de março.

- Conforme testemunhas, ele passava pela Rua Farrapos quando foi chamado pelo soldado Alexandre Camargo Abe, 29 anos.

- O PM teria sacado a pistola e disparado pelas costas do boxeador.

- Em seguida, teria se aproximado e dado um tiro à queima-roupa.

- O PM foi indiciado por homicídio duplamente qualificado cerca de 10 dias após o crime.

- Ontem, o policial foi expulso da Brigada Militar.