ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 7 de junho de 2011

DISPARA NÚMERO DE MORTES A ESCLARECER

Dispara no Rio número de mortes a esclarecer. Índices subiram de 3.191 casos em 2007 para 5.647 em 2009, enquanto taxa de homicídios caiu no Estado; com dados oscilantes, SP também terá de rever estatística - 07 de junho de 2011 - Wilson Tosta / RIO - O Estado de S.Paulo

O número de mortes por causas externas sem razão determinada - cujo motivo pode ter sido suicídio, assassinato ou acidente - disparou nos últimos anos no Rio. O movimento é inverso à redução no total de homicídios - que virou propaganda da gestão do governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) - e fez o Ministério da Saúde pedir ao Estado que reveja suas estatísticas.

Segundo o Datasus, banco de dados do ministério, o Estado teve 1.676 mortes violentas sem causa especificada em 2006 - último ano do governo Rosinha Garotinho. Em 2007, primeiro da gestão de Cabral, elas subiram 90,4% (para 3.191). Em 2008, o indicador passou a 3.261 (alta de 2,19%). Em 2009, esse tipo de registro cresceu 73%, para 5.647 casos. Os dados daquele ano ainda são provisórios - os números oficiais só serão fechados no fim de junho. Mas, se as informações se confirmarem, o número de mortes não explicadas vai superar o total de homicídios (4.198).

Um dado que se destaca no Rio é o crescimento de algumas categorias de mortes sem causa determinada. O economista Daniel Cerqueira, doutor pela Pontifícia Universidade Católica do Rio (PUC-RJ) com tese sobre violência no Brasil, verificou aumento atípico em pelo menos dois tipos: as provocadas por armas de fogo e os envenenamentos. Entre 2006 e 2007, o primeiro tipo cresceu 197% (de 148 para 440); o segundo aumentou 82,24% (de 1.425 para 2.597).

Cerqueira também calculou taxas por 100 mil habitantes de mortes indeterminadas nas duas categorias, de 1996 a 2008. No Rio, a taxa de mortos a tiro de um ano para o outro mais que dobrou no triênio com dados disponíveis: de 0,951 em 2006 para 2,796 em 2007 e 2,90 em 2008. Muito acima da média do Brasil (0,437, 0,456 e 0,601).

Nos envenenamentos, a história se repete: o Rio registrou 9,157, 16,501 e 16,078 casos por 100 mil habitantes em 2006, 2007 e 2008. O País teve 2,581, 2,729 e 2,843 casos.

Outros Estados. São Paulo, Minas, Bahia, Rio Grande do Norte e Roraima também preocupam o Ministério da Saúde, que também pediu a revisão de números.

São Paulo apresentou, na contagem por 100 mil habitantes, comportamento oscilante, com taxas de 5,495 em 2006, 5,273 em 2007 e 5,418 em 2008. São consideradas baixas frente ao Rio (que teve 10,751 por 100 mil, 20,167 e 20,532, no mesmo período), mas ainda assim chamam a atenção do Datasus.

Nas categorias de mortes indeterminadas por arma de fogo e envenenamento, no mesmo triênio, também houve sobe e desce no Estado, no mesmo cálculo: 0,351, 0,245 e 0,297 (na primeira categoria) e 3,256, depois 2,791 e 2,848 (nos envenenados).

Minas apresentou evolução semelhante à de São Paulo no mesmo período. Já a Bahia teve, de 2006 a 2008, aumento nas taxas por 100 mil habitantes de mortes por causas externas indeterminadas: 8,143, depois 11,929 e por fim 14,439 e nas mortes indeterminadas por armas de fogo.