ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sábado, 12 de outubro de 2013

TREM FANTASMA DA SEGURANÇA NO BRASIL


Cardozo compara Ministério da Justiça a 'trem-fantasma'

Homenageado por advogados, em São Paulo, ministro defendeu atuação da PF e disse que Pasta dá sustos todo dia

11 de outubro de 2013 | 17h 40

Fausto Macedo - O Estado de S. Paulo

O ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardozo, comparou nesta sexta feira, 11, em São Paulo, a Pasta que dirige a um "trem fantasma". "Todo dia nós temos situações de susto, fatos que nos geram preocupação", disse o ministro, em reunião-almoço no Jockey Clube, no qual foi homenageado pelo Instituto dos Advogados de São Paulo (IASP).

Diante de uma centena de advogados, muitos dos quais frequentemente criticam a ação da Polícia Federal, Cardozo defendeu enfaticamente a corporação. "A Polícia Federal, hoje, tem tido um papel muito importante no combate à criminalidade no País, dentre outras formas de crime os chamados crimes do colarinho branco, as situações de corrupção."

O ministro fez uma ironia. "É muito curioso porque toda vez que a Polícia Federal prende alguém que, do ponto de vista político, é tido como adversário do governo a acusação que tem é que o ministro (da Justiça) está instrumentalizando a Polícia Federal para os desígnios governamentais. Quando, porém, a PF prende pessoas que são aliadas ao governo se diz que o ministro perdeu o controle da Polícia Federal. Ou seja, não há escapatória."

"Eu costumo dizer: decidam!", prosseguiu Cardozo. "Eu instrumentalizo ou eu não tenho controle. Quando, na verdade, não é nem uma coisa, nem outra. Quer dizer, se construiu a ideia, e que eu defendo e defenderei sempre, que a Polícia Federal é uma polícia republicana, que age com autonomia."

Para ele, "o ministro deve intervir apenas e tão somente quando há abusos".

"Não havendo abusos a polícia tem que seguir o seu caminho", declarou o ministro.

Ele disse que "entre essas tensões todas, cotidianas, que se colocam, que se afirmam, o ministro tem que escolher ou eleger algumas prioridades".

"Eu costumo dizer à presidenta Dilma, eu digo a ela, a senhora me deu um parque de diversões que só tem um brinquedo, o trem fantasma, porque todo dia nós temos situações de susto, fatos que nos geram preocupação."