ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

PM É CONDENADA POR ASSASSINATO

DIÁRIO GAÚCHO, 09/10/2013 | 09h54

PM é condenada a oito anos de prisão por assassinato em Porto Alegre. A policial Maria Paulina Grizut de Barcelos era acusada da morte de Júlio César Vilarinho de Souza, em julho de 2008


Familiares da vítima no dia do crimeFoto: André Feltes / Agencia RBS


O Tribunal do Júri condenou, na tarde de segunda-feira, a oito anos de prisão em regime semiaberto a PM Maria Paulina Grizut de Barcelos. Ela era acusada da morte de Júlio César Vilarinho de Souza, em julho de 2008.

A morte teria ocorrido após uma discussão. A soldado havia perdido seu celular. O aparelho foi encontrado por um andarilho e vendido para Júlio. Na tarde de 25 de julho, ela marcou um encontro com Júlio e um amigo dele em frente ao Instituto de Educação, próximo da Redenção. No entanto, Júlio teria devolvido apenas o chip do aparelho.

A ré, junto a outros dois PMs, segurou o rapaz para que alcançasse também o celular. Ele tentou se desvencilhar e, então, foi atingido no pulmão esquerdo por um disparo efetuado por Maria Paulina. A condenação foi por homicídio simples e a PM poderá apelar em liberdade.


DIÁRIO GAÚCHO