ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

SEM REAÇÃO



Alberto Afonso Landa Camargo

Definitivamente, o ser humano insiste em viver suas contradições. Um exemplo desta certeza está dentro da Brigada Militar. Explico:

No Centauro, que é um grupo fechado e congrega apenas oficiais de nível superior da Corporação, vemos todos os dias inúmeras manifestações veementes contra as esquerdas e contra os governos desta ideologia e partidos que a seguem, muitas e não raras vezes atribuindo as mazelas por que passam as polícias militares e as forças armadas a uma orquestração, a um plano maquiavélico, a interesses não muito dignificantes destas ideologias e agremiações partidárias afins.

Estes manifestos descontentamentos, porém, praticamente ficam restritos ao grupo Centauro, a nós mesmos e não saem deste nosso mundinho fechado.

É como se esta discussão restrita fosse suficiente para mudar o mundo, o que nos coloca numa situação de megalomania tal, que interpreta que basta nos reunirmos, emitirmos opiniões que ficam só entre nós para que a realidade seja alterada.

Temos um episódio recente que nos leva a estas considerações que faço sobre as nossas contradições.

Um vereador de Porto Alegre, que pertence às esquerdas e partido afim, publicou artigo acusando generalizadamente as polícias militares pelo episódio do desaparecimento de um pedreiro no Rio de Janeiro. Para ele é como se a polícia militar daquele Estado seja exemplo às demais e, pior, como se os possíveis culpados tivessem feito o que é comum a policial de qualquer polícia militar, que, segundo ele, faz isto todos os dias independente do Estado a que pertença.

Disse textualmente o vereador: "Os 10 sádicos não são uma exceção como se vai querer dizer. Eles não fugiram à cultura e tradição de sua instituição e não fizeram menos do que são estimulados a fazer, cotidianamente...", ou seja, cada um de nós é culpado e estava lá no Rio de Janeiro a brandir os instrumentos que esquartejaram o infeliz.

Pois este vereador tem uma página no facebook, que é aberta a quem queira publicar nela e lá está o seu artigo atribuindo a todas as polícias militares e a cada policial em geral a responsabilidade pelo suposto esquartejamento e desaparecimento do dito pedreiro. Porém, lê-se na página do vereador a veemência de apenas não mais que quatro policiais militares, dos sete comentários publicados contra a sua postura discriminatória e injusta. E aí reside a contradição! 

Não estão lá presentes aqueles que costumam veementemente bater nas esquerdas neste grupo fechado e restrito e a página do vereador esquerdista e de partido afim que acaba de publicar um artigo ofendendo e injustiçando cada um dos policiais militares que existem no Brasil se ressente da veemência daqueles que, no Centauro e todos os dias, não cansam de dizer dos planos maquiavélicos e das orquestrações das esquerdas contra as polícias militares e as forças armadas.

E isto que a página dele está lá, aberta a quem queira publicar. Mas está aí um mundo fechado e só nosso e é o que deve bastar...



via facebook/grupocentauro