ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

LADRÕES FURTAM FUZIL E ESCOPETA DE QUARTEL DA PM

Do G1 Triângulo Mineiro, 10/10/2013 12h04

Ladrões furtam fuzil e escopeta de quartel da PM em Iraí de Minas. Criminosos invadiram o local pela porta da frente. PM não sabe quantas pessoas participaram da ação.


O quartel da Polícia Militar (PM) de Iraí de Minas , no Alto Paranaíba, foi arrombado na madrugada desta quinta-feira (10). Os criminosos entraram pela porta da frente e furtaram um fuzil calibre .556 e uma escopeta calibre .12, além de 25 munições.

Um soldado que chegava para trabalhar na parte da manhã percebeu que a porta estava aberta e pensou que outro militar já havia chegado ao local. Quando entrou no prédio, viu que a porta tinha sido arrombada e acionou os demais policiais.

De acordo com o major da PM Conrado, testemunhas informaram que ouviram barulhos no quartel por volta das 3h30. Os ladrões quebraram os cadeados da sala onde ficam os armamentos.

Como não há plantão durante a noite, o prédio fica fechado. A PM ainda não tem informações de quantas pessoas participaram da ação. As polícias Civil e Militar de Monte Carmelo e Patrocínio ajudam na operação. Atualmente, seis militares trabalham na cidade, mas apenas cinco estão trabalhando no momento.