ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

DELEGADO DA PCSP É MORTO A TIROS


FOLHA.COM 23/10/2013 - 04h26

Delegado é morto a tiros na zona leste de SP


MARTHA ALVES
DE SÃO PAULO


O delegado da Polícia Civil Antônio Cardoso de Sá, 62, foi morto a tiros dentro de um bar, no Parque Císper, zona leste de São Paulo, por volta das 23h de terça-feira (22).

Testemunhas disseram à Polícia Civil que dois homens entraram no bar na rua Cícero Dantas e dispararam ao menos quatro tiros contra o delegado. A polícia não soube informar se Cardoso teria reagido a uma tentativa de roubo.

Segundo a polícia, os assassinos fugiram em um carro que estava estacionado próximo ao bar, onde um comparsa os esperava. Eles roubaram a arma do delegado, mas nada foi levado do bar e de outros clientes.

Cardoso foi levado por moradores da região ao hospital de Ermelino Matarazzo, onde morreu.

O delegado trabalhava como plantonista no 67º Distrito Policial (Jardim Robru) e estava próximo de se aposentar, segundo informações da polícia.

O caso foi registrado como latrocínio (roubo seguido de morte) no 24º Distrito Policial (Ponte Rasa). Nenhum suspeito do crime foi preso.






PARA LEMBRAR DE OUTRO CASO...

Delegado do DHPP de São Paulo é morto a tiros na zona leste. Crime ocorreu perto de sua casa após ter reagido a uma suposta tentativa de assalto. Três suspeitos foram detidos nesta madrugada

iG São Paulo | 30/08/2012 03:46:23

O delegado Euclides Batista de Souza, de 53 anos, titular da Divisão de Proteção à Pessoa do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), foi morto, no final da noite desta quarta-feira, durante uma tentativa de assalto quando chegava em casa, na Vila Taquari, região de Itaquera, na zona leste da capital paulista.

Ao volante de um Fiat Siena verde escuro, o delegado foi abordado por criminosos que saíram de um Gol preto no momento em que estacionava o carro na garagem de casa. Testemunhas disseram para policiais militares da 4ª Companhia do 39º Batalhão que o veículo dos bandidos entrou na contramão e parou em frente ao local.

EDU SILVA/FUTURA PRESS/AE
Delegado do DHPP morreu quando era atendido no hospital. Ele levou dois tiros após empurrar suspeito

Imagens gravadas pela câmera de segurança instalada na casa da vítima mostram o delegado descendo do carro, já dentro da garagem, e sendo abordado pelos criminosos. Eram pelo menos dois. Euclides não sacou a arma, mas empurrou um dos criminosos.

Baleado nas costas e na cabeça, o policial morreu quando era atendido no pronto-socorro do Hospital Santa Marcelina. Um dos assaltantes, ainda segundo testemunhas, foi atingido acidentalmente por um dos disparos. O caso foi registrado no 24º DP, da Ponte Rasa, e será investigado pelo DHPP.

Suspeitos

Três suspeitos de envolvimento no caso foram detidos nesta madrugada pela polícia. Um deles deu entrada no pronto-socorro do Jardim Robru e foi transferido para o pronto-socorro de Ermelino Matarazzo, onde permanece internado.

O carro que levou o suspeito até o primeiro pronto-socorro, segundo a polícia, é um Gol prata, cujo dono foi localizado e também detido. O terceiro suspeito, segundo os policiais, é o rapaz que bateu à porta da casa do proprietário do Gol prata e pediu que este levasse o colega baleado até o hospital.

Tanto o dono do Gol prata como o rapaz que solicitou ajuda na remoção do amigo ferido foram encaminhados para o plantão do 67º DP, do Jardim Robru, e transferidos para o DHPP. A casa em frente ao delegado possui duas câmeras de segurança, que podem ter gravado mais detalhes do assalto. A polícia solicitou as imagens.

*com AE