ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

TARSO ESTENDE PRAZO PARA ANALISAR INQUÉRITOS SOBRE LIDERANÇAS DO BLOCO DE LUTA

frentedosoficiaissuperioresdabm.blogspot.com

RADIO GUAÍBA, 17/10/2013 19:03

Fonte: Gabriel Jacobsen/Rádio Guaíba

Tarso estende prazo para analisar inquéritos sobre lideranças do Bloco de Luta. Governador também garantiu segurança da casa do prefeito José Fortunati


O governador Tarso Genro afirmou nessa manhã à reportagem da Rádio Guaíba que ainda não analisou atentamente os inquéritos que geraram busca e apreensão na casa de lideranças do Bloco de Luta pelo Transporte Público, incluindo dois militantes partidários, um ligado ao PSTU e outro ao PSol. Segundo o governador, que há duas semanas prometeu analisar pessoalmente os inquéritos em até 15 dias, os documentos ainda estão sendo avaliados pelos assessores e pela Secretaria de Segurança Pública. Segundo Tarso, o Ministério Público (MP) também vai ser consultado sobre os inquéritos que, conforme os investigados, tiveram motivação política.

“Estão sendo avaliados, eu já recebi algumas informações, para verificar se há alguma lesão política ali ou não. Se tiver alguma lesão política, isto vai ser corrigido. Inquérito policial é para crime comum, neste caso para buscar depredadores e pessoas que cometem atentados contra outras pessoas. Nada tem a ver com partidos políticos que têm o seu programa, o seu direito de se mobilizar, de usar a linguagem que quiserem, nós estamos em uma democracia... Já olhei alguma coisa, mas não ainda completamente. Eu ainda demoro um tempo, nós temos inclusive que trocar opiniões com o próprio Ministério Público sobre este assunto”, afirmou o governador.

Ainda que o governador afirme que os inquéritos estão sendo avaliados pela Secretaria de Segurança Pública, o titular da pasta, Airton Michels, já garantiu na última semana que o caráter da investigação é estritamente criminal. Segundo Michels, que disse ter revisado pessoalmente os inquéritos, não houve qualquer motivação política nas investigações.

No primeiro dia de outubro, duas sedes de organizações anarquistas e as casas de Matheus Gomes (PSTU) e Lucas Maróstica (PSol) foram alvo de busca e apreensão por parte da Polícia Civil. As organizações e os dois militantes estão à frente das mobilizações de rua dos últimos meses e fazem parte do Bloco de Luta.

Governador garante mais segurança para Fortunati

Na entrevista, o governador Tarso Genro admitiu ainda falha da Brigada Militar (BM) na segurança do prédio onde reside o prefeito José Fortunati, no Centro da Capital. Segundo o governador, o local se tornou alvo de depredações e a reivindicação de Fortunati é legítima.

"Esse pedido do Fortunati vai ser atendido, ele tem razão, tem que ter ali uma proteção especial, porque aquele local se transformou em alvo, né? Mas eu lembro que a proteção que nós estamos dando à Prefeitura é de altíssimo nível, do mesmo nível que damos ao Palácio Piratini. Então agora vamos corrigir essa segurança da casa do prefeito, que é uma obrigação nossa", concluiu o governador.


COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - É a confirmação do gerenciamento partidário em questões técnicas de justiça criminal onde a segurança pública é parte e objetivo do processo. E por esta e outras mazelas que defendo o Sistema de Justiça Criminal.