ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

POLICIAL FEDERAL MORRE EM PERSEGUIÇÃO A TRAFICANTES

ZERO HORA ONLINE 11/10/2013 | 19h21

Veículo envolvido em acidente que matou policial federal transportava 40 quilos de cocaína. Conforme a polícia, homem de 24 anos que dirigia automóvel teria jogado para fora da pista a viatura que capotou na BR-386


Droga estava distribuída em uma mochila e em uma sacola
Foto: Polícia Federal / Divulgação


O veículo Hyundai ix35 envolvido no acidente que resultou na morte do policial federal Adécimo Joel Branco, 56 anos, transportava 40 quilos de cocaína na rodovia que liga Canoas a Montenegro (BR-386), informou a Polícia Federal (PF). A droga estava sobre o banco do carona e distribuída em uma sacola e em uma mochila.

Conforme a PF, o automóvel furou uma barreira policial na rodovia e fugiu no sentido Capital-Interior. Na altura do km 417, em Montenegro, o motorista de 24 anos teria jogado o veículo contra uma viatura discreta que fazia a perseguição, disse a polícia. A caminhonete Toyota Hilux saiu da pista e capotou, causando a morte de Adécimo e deixando outro agente ferido.

Cinco quilômetros após o acidente, a polícia interceptou o homem, natural de Gravataí, que acabou baleado sem gravidade. Ele acabou preso em flagrante por tráfico de drogas e homicídio. A Direção-Geral da Polícia Federal decretou luto de três dias em todas as unidades no país devido à morte do agente.

O velório de Adécimo será realizado a partir das 21h desta sexta na capela H do Cemitério Jardim da Paz, em Porto Alegre. O sepultamento está marcado para as 10h30min de sábado.

Confira a íntegra da nota encaminhada pela Polícia Federal:

"Com profundo pesar, comunicamos o falecimento do Agente de Polícia Federal (APF) Adécimo Joel Branco, da Superintendência da Polícia Federal no Rio Grande do Sul.

O agente participava de ação da PF nesta sexta-feira, 11 de outubro. A viatura em que o policial estava capotou em perseguição a um veículo na BR 386, em Triunfo. Outro policial se feriu sem maior gravidade. Um homem foi preso na ação.

Adécimo tinha 56 anos e ingressou na Polícia Federal em 1984, na Delegacia de Foz do Iguaçu, no Paraná. Em 1987 foi removido para o Rio Grande do Sul, onde dedicou grande parte do seu trabalho no combate ao tráfico de drogas."


NOTA DA FENAPEF


Nota de pesar

A Federação Nacional dos Policias Federais (Fenapef) comunica com pesar a morte do Agente de Polícia Federal Adécimo Joel Branco, Classe Especial, lotado na DRE/SR/DPF/RS. O acidente aconteceu ao meio dia de hoje, 11, quando o policial efetuava perseguição a traficantes de drogas na Rodovia BR 386, entre Porto Alegre/RS e Montenegro/RS.

Na viatura estava outro colega também agente, que foi socorrido e está fora de perigo. Segundo o jornal. Segundo o jornal Zero Hora, agentes da PRF abordaram o motorista do veículo suspeito e o prenderam em flagrante, cinco quilômetros depois, com uma quantidade não calculada de cocaína.

COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Nossos sentimentos de pesar a mais um herói que dá a vida para defender a população brasileira de facções e bandidos que contaminam a sociedade com suas drogas pesadas, armamento de guerra e negócios ilícitos de alto poder financeiro, decidindo sobre a vida e morte de pessoas.

ADECIMO JOEL BRANCO
UM GRANDE POLICIAL SE FOI. OBS. SEGURANDO CÃO DART NA INAUGURAÇÃO DA DPF CAXIAS

Foto: UM GRANDE POLICIAL SE FOI. OBS. SEGURANDO CÃO DART NA INAUGURAÇÃO DA DPF CAXIAS