ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

OS DESAFIOS DA PM


O GLOBO Panorama Carioca, 23/10/2013


Gilberto Scofield Jr. 


Um integrante da cúpula da PM me contou que a polícia está tendo dificuldade em conciliar as exigências do processo de ocupação e pacificação, as ações quase diárias de monitoramento das manifestações — e repressão ao vandalismo — e o policiamento costumeiro da cidade. O comando geral trabalha com a corda esticada, e até policiais de fora do Rio são convocados para que se dê conta de tudo.

O policiamento sofre. Apesar da queda nos índices de violência na cidade, há uma sensação de insegurança em quase todos os bairros, provocada por furtos, arrastões e roubos de veículos em áreas insuspeitas há algum tempo. O ponto fora da curva, claramente, são as manifestações, que não constavam, pelo menos na perturbadora frequência e virulência atuais, do planejamento anual do trabalho da PM. Os reforços da tropa estavam basicamente vinculados ao aprofundamento do processo de pacificação, do qual as autoridades de segurança no Rio não abrem mão. E nem podem abrir. Trata-se de território constantemente sitiado pelo tráfico ou pela milícia, o que exige das tropas, nessas comunidades, presença grande, permanente e alerta.

A PM já vinha sendo alvo de críticas desde o início das manifestações, mas principalmente a partir de junho, quando os movimentos passaram a descambar, em seus finais, para um quebra-quebra generalizado de gente que gosta de posar de defensor da liberdade de expressão, mas que não pensa duas vezes antes de agredir e impedir com violência o trabalho da imprensa. Tudo isso enquanto sai destruindo aquilo que vê pela frente em sua bandeira em defesa do... em defesa do que mesmo?

Desacostumada a lidar com manifestações — pacíficas ou não — em tempos democráticos, a PM agiu e ainda age erraticamente. Ora responde com uma violência muitos graus acima do necessário, batendo e reprimindo qualquer coisa que se mova. Ora parece apática: por birra, permitindo o descontrole como que para “dar uma lição” em quem reclamava de excessos. Ou por falta de uma estratégia menos bruta e mais inteligente. Um instrumento legal — sancionado pela presidente — foi encontrado para tirar de circulação os vândalos, mas há dificuldades para comprovar a materialidade dos crimes, o que exige uma investigação poderosa por parte da polícia civil sobre esses grupos para que eles continuem presos.

Mas os desafios do comandante-geral da PM, coronel José Luís Castro Menezes, não terminam em como lidar com a violência cada vez maior — e corriqueira — a cada protesto. Nem em como agir com a devida rapidez e vigor sem se deixar contaminar pela ira e pelo nervosismo que impedem a PM de diferenciar um black bloc de um trabalhador. Não é mesmo tarefa fácil, e todos vimos as mesmas dificuldades no trabalho que a Força Nacional de Segurança (em tese preparadíssima para o trabalho de conter multidões furiosas) teve para conter o quebra-quebra na Barra antes do leilão do campo de Libra. As condições físicas e mentais do efetivo tendem a piorar se os policiais — para dar conta de ocupação, policiamento e controle de multidões — estão amarrando um plantão no outro e uma hora extra na outra.

Enfim, o caso Amarildo está aí para mostrar que policiais violentos e corruptos — rejeitados pela imensa maioria dos cariocas — não cabem mais na nova ordem policial que se pretende construir no Rio pacificado e das UPPs. Em muitas comunidades, e há bastante tempo, reclama-se do estado militar da ocupação. Reclama-se ali uma polícia menos militarizada e mais comunitária. Menos temida e mais respeitada. Com o apoio de investimentos sociais e judiciais, de governos, de ONGs e dos próprios cariocas, não é um futuro impossível de se enxergar.



Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/os-desafios-da-pm-10495829#ixzz2iYM0jJHJ
© 1996 - 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.