ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

FEDERAÇÃO DE DELEGADOS ALERTA PARA A AMEAÇA DE UNIFICAÇÃO


REUNIÃO DA FENDEPOL EM BRASILIA TRAZ UM ALERTA PARA CLASSE DOS DELEGADOS

PORTAL SIDEPOL - 10 de outubro de 2013



O Delegado Cláudio Marques participou ontem, 09/10/13, em Brasília , de uma reunião da recém criada FENDEPOL-Federação Nacional dos Delegados de Polícia, órgão que congrega hoje dez sindicatos de delegados de polícia abrangendo vários estados da Federação.

Um dos temas da pauta foi a preocupação para a classe dos Delegados de Polícia, que é a PEC 51. Esta PEC trata da desconstitucionalização das polícias, unificação e desmilitarização, e sua tramitação no Senado Federal deve começar em breve. A proposta suprime as polícias Civil e Militar dos parágrafos 4º e 5º do artigo 144 do texto constitucional. Seria então criada, em cada estado, uma polícia estadual única, e também com carreira única, aonde o cargo do delegado de polícia desapareceria (perderíamos o status de carreira jurídica hoje reconhecida), prevalecendo uma carreira única, p. ex., no âmbito da União a denominação seria “policial federal”, dividida em classes, e assim por diante.

O autor é o Senador Lindberg Farias-PT, do Rio de Janeiro. Os Delegados já estão em conversação para que o parlamentar retire a proposta.

Também foi criada no Senado uma Comissão que analisará todos os projetos sobre segurança pública. O relator é Pedro Taques. Além disso, identificamos mais seis senadores não alinhados com os Delegados de Polícia.

Esta Comissão é perigosíssima; e a FENDEPOL juntamente com a ADEPOL-BR, está trabalhando para identificar quais são os seus propósitos.

Integram esta Comissão: Vital do Rego, Pedro Taques, Eunicio, Randolfe, Lindberg, Armando Monteiro, Eduardo Braga, Aloisio Nunes, Inacio Arruda*, Sergio Souza*, Humberto costa*. *Devem ser incluídos na comissão.

Quanto aos projetos de lei na Comissão de Segurança da Câmara, O Dep. Otavio Leite está sendo contatado no RJ, pois ao que parece o referido Parlamentar vem sofrendo enorme pressão do MP.

Segundo o Presidente da FENDEPOL, que participou de uma das audiências públicas, esta comissão não é imparcial. O discurso do Presidente da FENDEPOL está no site SINDELPOL-RJ.

Link: http://www.sindelpolrj.com.br/home/

Devemos continuar atentos, pois há diversos projetos visando atingir a classe não só a classe dos Delegados de Polícia, mas a Polícia Judiciária como um todo.


JOSE PAULO PIRES – PRESIDENTE DA FENDEPOL

Claudio Marques Rolin e Silva – 2.º Vice Presidente

FONTE: