ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

CANDIDATURA E VAGA NO TJM PODEM ANTECIPAR SUCESSÃO NA SEGURANÇA DO RS



ZERO HORA 15 de outubro de 2013 | N° 17584

JOSÉ LUÍS COSTA

SUCESSÃO NA SEGURANÇA

Mudanças à vista na BM e na Civil. Candidatura e vaga no Tribunal de Justiça Militar podem antecipar trocas


A cúpula da segurança pública gaúcha deverá ser alterada no primeiro semestre de 2014. O chefe da Polícia Civil, delegado Ranolfo Vieira Junior, pretende enveredar para a carreira política, e o comandante-geral da Brigada Militar, coronel Fábio Duarte Fernandes, é o mais cotado para ocupar uma vaga como juiz no Tribunal de Justiça Militar (TJM).

Ao que tudo indica, a primeira mudança será na Polícia Civil. Na semana passada, Ranolfo se filiou ao PTB, partido da base aliada do governo Tarso Genro, e para concorrer, terá de se desincompatibilizar da função até 5 de abril – seis meses antes da eleição.

Ranolfo evita falar sobre o assunto – confirma apenas ter assinado ficha no PTB –, mas a tendência é que dispute uma cadeira de deputado estadual. Dias atrás, Tarso comentou que, por causa das candidaturas, estudava troca-troca no secretariado – e também em outros setores do governo – a partir do final do ano. Mas a tendência é que Ranolfo fique no cargo até a data-limite para o afastamento estabelecida em lei.

A mudança na BM está prevista para ocorrer a partir de 21 de junho. Neste dia, o juiz-militar João Vanderlan Rodrigues Vieira completa 70 anos e se aposenta compulsoriamente, deixando o TJM. Ele foi comandante-geral da BM na segunda metade do governo Alceu Collares (1991 a 1994).

Por tradição, o comandante-geral da BM é o escolhido para ocupar vaga no TJM. É uma decisão pessoal do governador. E o coronel Fábio é um antigo militante do PT, ligado à Democracia Socialista, a maior corrente petista gaúcha.

Segundos na hierarquia são os mais cotados

Na Polícia Civil, o nome mais cotado é o subchefe de Polícia, delegado Ênio Gomes de Oliveira. Braço direito de Ranolfo, Ênio atuou em Passo Fundo, na Secretaria da Segurança e no Departamento de Polícia do Interior.

Na BM, o subcomandante, coronel Silanus Mello, é o preferido do Piratini para assumir a cadeira de Fábio.

Procurados por Zero Hora, o secretário da Segurança Pública, Airton Michels, informou, por meio da assessoria, que não se pronunciaria sobre o assunto. O mesmo procedimento adotaram o delegado Ranolfo e o coronel Fábio.

SUA SEGURANÇA | HUMBERTO TREZZI

Perda de continuidade


Ase confirmar a informação do repórter José Luís Costa, a cúpula da segurança pública gaúcha experimentará não apenas uma, mas duas retiradas decisivas de cena. A primeira, já anunciada, é do delegado Ranolfo Vieira Junior da Chefia da Polícia Civil. A outra é a do comandante-geral da BM, coronel Fábio Duarte Fernandes, por hora apenas cogitada. Será, para dizer o mínimo, uma perda de continuidade.

Ranolfo é um fenômeno de sobrevivência política e longevidade na instável função de chefiar postos-chave na área da segurança. O delegado ocupa cargos de direção importantes há três governos. Foi diretor do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), que concentra a maioria das delegacias especializadas da Polícia Civil, durante os governos Germano Rigotto (PMDB) e Yeda Crusius (PSDB). Em 2011, assumiu o comando da Polícia Civil na gestão Tarso Genro (PT), de longe o maior opositor de Yeda. Casos assim, de manutenção do cargo em governos antagônicos, só se explicam por uma palavra: competência. A gestão de Ranolfo acumula, nestes anos, vitórias no campo da investigação, matéria-prima da Polícia.

Fábio Duarte também tem marcado seu comando, na BM, por uma postura diplomática. Não é dado a controvérsias, acumula algumas vitórias – como um gradual aumento no efetivo de PMs, após décadas de retração – e poucas polêmicas. A grande questão é quem irá substituir estes chefes. Nos bastidores as cartas começam a se movimentar.


QUEM ENTRA E QUEM SAI

Troca deve acontecer no final do primeiro semestre de 2014

DEIXAM O CARGO

- Fábio Duarte Fernandes – Oficial identificado com o PT, antes de ser comandante-geral, era subchefe de operações da Casa Militar do Palácio Piratini. Trabalhou durante quase cinco anos na bancada do PT na Assembleia.

- Ranolfo Vieira Junior – Desde 1997 na Polícia Civil, Ranolfo passou por delegacias do Interior foi delegado na Área Judiciária e atuou no Denarc. Durante três anos foi delegado regional no Vale do Sinos e, antes de assumir a Chefia, foi diretor do Deic por cinco anos.

QUEM PODE ASSUMIR A BM

- Silanus Mello – É subcomandante desde janeiro quando o coronel Fábio assumiu a BM. Foi comandante do 20º BPM, da Academia de Polícia Miliar, do Comando Rodoviário, do Batalhão de Operações Especiais e do Comando de Policiamento Metropolitano.

POLÍCIA CIVIL

- Ênio Gomes de Oliveira – Ocupa a subchefia desde o início da gestão. Foi delegado regional em Passo Fundo, diretor do Departamento de Polícia do Interior, e atuou na Secretaria de Segurança Pública nos dois governos anteriores como coordenador da Assessoria de Gestão de Políticas de Segurança Pública.