ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

REPOSIÇÃO E EFETIVOS COLOCAM POLICIAIS CIVIS/DF EM GREVE

Policiais civis do Distrito Federal entram em greve por três dias - CORREIO BRAZILIENSE, 17/10/2011 10:25

Os policiais civis do Distrito Federal decidiram entrar em greve a partir desta segunda-feira (17/10). A categoria promete ficar paralisada durante 72 horas e os serviços devem voltar ao normal somente na próxima quinta-feira (20/10). O Sindicato dos Policiais Civis do DF (Sinpol-DF) informou que a população só será atendida em casos de emergência, flagrantes e crimes graves, como assassinatos e estupros.

De acordo com o vice-presidente do Sinpol-DF, Luciano Marinho, 100% dos policiais aderiram à greve. "Queremos uma reposição salarial de 13%, alterações no decreto de progressão, transformação de cargos e aumento no efetivo de policiais civis que atuam no DF, que não muda há 20 anos", informa. Marinho completa ao dizer que a categoria pretende negociar com o Governo do Distrito Federal, "mas o GDF não cumpriu as promessas feitas aos policiais em abril".

A Secretaria de Administração Pública do Distrito Federal informou que o GDF cumpriu em 2011 os compromissos firmados em 2010 e, por isso, precisa avaliar as condições para que novos acordos sejam feitos ainda este ano. Por meio da assessoria de impresa, foi divulgado que o atual secretário, Wilmar Lacerda, que tomou posse em setembro, estuda as negociações feitas no primeiro semestre deste ano. "A secretaria vai avaliar as propostas e tentar achar uma solução, tanto para a categoria quanto para a população ", informou a assessoria.