ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

EXONERADO DELEGADO ACUSADO DE FICAR COM PRODUTOS APREENDIDOS E AMEAÇAR COLEGA

DECISÃO DO STF. Delegado Marcucci é exonerado - DIÁRIO CATARINENSE, 14/10/2011

JARAGUÁ DO SUL - O delegado Marco Aurélio Marcucci foi exonerado do cargo ontem. O policial comandava a delegacia da Mulher de Jaraguá do Sul. A perda da função foi publicada no Diário Oficial, após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter negado o pedido de um novo julgamento do processo de 2005, em que Marcucci é acusado de ficar com parte dos produtos apreendidos em investigações e ameaçar um colega de trabalho.

A condenação ocorreu em 2006 e determinava cinco anos e nove meses de prisão e a perda do cargo público. O delegado recorreu, mas o STF manteve a condenação. Na época da denúncia, Marcucci era delegado regional em Joinville e vereador.

Ontem à tarde, o delegado regional de Jaraguá do Sul, Uriel Ribeiro, recebeu uma cópia da publicação da exoneração, comunicou o policial sobre a decisão e recolheu a arma dele e carteira de delegado.

Segundo Ribeiro, Marcucci trabalhou até as 18 horas. Ribeiro não quis comentar o assunto, limitou-se a dizer que “decisão judicial não se opina, cumpre-se”.

Sobre a substituição do delegado exonerado, Ribeiro afirma que até semana que vem deve ter o nome do profissional que ocupará o cargo. “Estou conversando com o diretor de Polícia do Litoral, Artur Nitz, e estamos dando prioridade para um delegado de fora”, afirma. Enquanto, o substituto não é nomeado, o delegado Adriano Spolaor atuará na Delegacia da Mulher, interinamente.

Ontem à tarde, Marcucci foi procurado pela reportagem por telefone, mas não atendeu às ligações.