ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

RACHAS, AÇÕES, PALESTRAS E TRAPALHADA

WANDERLEY SOARES, REDE PAMPA, O SUL, Porto Alegre, Quarta-feira, 05 de Outubro de 2011.

Rachas na BM - Nos diálogos sobre a questão salarial com o Piratini, o segmento da família brigadiana mais temeroso é o dos capitães.

Sargentos e tenentes da Brigada Militar protocolaram, ontem, na Assembleia Legislativa, pedido de retirada do projeto de reajuste salarial apresentado pelo Executivo. A ideia é de que o texto que concede aumento de até 18% não seja votado. Segundo os servidores, é preferível ficar sem o percentual do que receber menos do que 23,5%. A Associação dos Cabos e Soldados, um tanto insatisfeita, aceitou a proposta governamental, enquanto os oficiais superiores (major a coronel), em maioria, mas sem coesão plena, montam estratégias, na Capital e no interior, para buscar equiparação salarial com as carreiras jurídicas do Estado.

Nesse entremeio, os capitães temem ficar fora de tudo. Ainda assim, o racha nos segmentos brigadianos, especialmente entre os oficiais superiores, é pretensamente considerado inexistente. Em verdade, "racha" é um vocábulo um tanto forte para alguns militantes puristas. Digamos que, no confronto com as ideias do Piratini, não foi alcançada unanimidade na família brigadiana.

Quadrilha

A Polícia Civil desarticulou, ontem, uma quadrilha especializada em roubos a estabelecimentos comerciais no Vale do Sinos. Seis pessoas foram presas durante a operação Atenas em São Leopoldo, Gravataí e em Capela de Santana.

Dom do crime

O Iargs (Instituto dos Advogados do Rio Grande do Sul), ao dar início às comemorações de seu 85 ano de existência, realizará, no próximo dia 10, às 19h, em seu auditório, na Travessa Acilino de Carvalho, 21, Centro da Capital, um evento que contará com a presença do professor Marco Lucchesi, membro da ABL (Academia Brasileira de Letras) e diretor presidente da Biblioteca Nacional, que pronunciará palestra sobre "Dom do crime", que terá como comentadores o advogado José Luis Germano da Silva e a psicanalista Lucrécia Zavaschi.

Sono de bandido

A Brigada invadiu uma casa e prendeu o homem que manteve quatro pessoas em cárcere privado no bairro Rincão, em Novo Hamburgo. Jean Jackson Pires, 26 anos, entrou no local durante fuga após assaltar outra residência à noite de segunda-feira. Na casa estavam uma mulher grávida, uma menina de nove anos, uma senhora de 74 anos e um homem de 34. As vítimas ficaram em poder do criminoso por seis horas. O subchefe de comunicação da Brigada Militar, Otto Amorim, disse que a invasão ocorreu após relatos de que o criminoso estava dormindo.

Anjos e PMs

Uma trapalhada resultou num tiroteio entre policiais, civis e militares, durante a madrugada de ontem, em Canoas. Duas viaturas discretas de uma equipe do Denarc, cujos membros se auto-definem como "Anjos da Lei" faziam investigação na rua Gildo de Freitas, no bairro Estância Velha. A Brigada Militar recebeu denúncia anônima relatando a presença de veículos suspeitos na área. Uma viatura discreta com PMs foi deslocada para o bairro. Assim que os brigadianos chegaram houve tiroteio entre os "anjos", que eram suspeitos para os PMs e os PMs que eram suspeitos para os "anjos". Um dos policiais civis sofreu um tiro de raspão. Terminada a trapalhada, os policiais envolvidos prestaram depoimento e nove armas foram apreendidas. Ninguém foi preso