ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

CONFRONTO - DELEGADO É FERIDO E AGENTE MORRE. UMA JOVEM MORREU E UM BANDIDO É BALEADO.

Agente da Polícia Civil é morto e delegado é baleado em Caxias do Sul. Policiais averiguavam denúncia de tráfico na Avenida Ruben Bento Alves - Gabriela Machado e Guilherme A.Z. Pulita - zero hora online, 07/10/2011

Correção: Das 14h51min até as 16h23min, este site informou equivocadamente que o policial e o delegado cumpriam um mandado de busca. Na verdade, eles foram averiguar uma denúncia de tráfico. O texto foi corrigido.

O agente do 3º Distrito Policial Luís de Matos morreu e o delegado Marcelo Grolli foi baleado durante uma operação policial em uma revenda de carros na Avenida Ruben Bento Alves (Perimetral Norte), entre outra revenda de veículos e uma de pneus, quase na esquina com a Rua Moreira César, em Caxias do Sul.

Os policiais estavam averiguando uma denúncia de tráfico. Como o portão da revenda estava aberto, decidiram entrar. Em seguida, se iniciou uma troca de tiros. Além do agente e do delegado, uma jovem foi morta e um criminoso, baleado. Dois homens e uma mulher foram presos e levados ao plantão da Polícia Civil pela Brigada Militar.

O delegado Grolli foi baleado nas duas pernas e em um dos braços e está no Hospital Pompéia, em Caxias do Sul.

No trecho da Perimetral Norte onde ocorreu o incidente, o tráfego flui com lentidão. Segundo um fiscal de trânsito que trabalha no local, o maior problema são os curiosos que param na calçada e acabam invadindo a pista.

— O trânsito fica lento também porque os motoristas querem saber o que aconteceu e diminuem a velocidade — explica o fiscal Renato Magnus.

No entorno, comerciantes afirmam ter ouvido barulho de tiros. Em um centro automotivo vizinho, uma das funcionárias contabilizou pelo menos 20 disparos.

— Na hora não pensamos que fossem tiros, associamos a bombinhas de crianças ou algo parecido. Também ouvi alguns gritos estridentes, de mulher — contou, sem querer se identificar.

Embora a maioria das pessoas que acompanham o trabalho da perícia e da Polícia Civil não tenham relação com as vítimas, amigos do policial Luís de Matos, morto na troca de tiros, aguardavam a retirada do corpo.

— Ele era meu amigão, saíamos juntos, chegamos a lutar jiu-jitsu juntos, era um cara muito gente fina — contou Alex Santos, 40 anos.

De acordo com os amigos, Matos morava com um sobrinho, também policial, e tinha uma filha de 8 anos.

Grolli está fora de perigo. No final da tarde desta sexta-feira, o delegado passaria por cirurgia na perna. Ele está no bloco cirúrgico do Pompéia, consciente, e já conversou com a mulher. Até hoje, ele nunca havia levado um tiro.

O delegado foi atingido nas pernas, uma delas teve fratura exposta, segundo informações do Hospital. Ele também levou tiros nos braços e foi atingido de raspão na cabeça.

O criminoso, que também estava no Pompéia na tarde de sexta, levou pelo menos cinco tiros próximos ao coração. Ele aguardava cirurgia.