ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

QUEIMA DE PNEUS - PC DE ALVORADA INDICIARÁ PM SUSPEITO DE PARTICIPAR DE PROTESTOS

Polícia Civil de Alvorada indiciará PM suspeito de participar de protestos com queima de pneus. Detalhes do caso devem ser anunciados em coletiva na tarde desta quarta-feira - ZERO HORA ONLINE, 19/10/2011 | 16h32min

A Polícia Civil de Alvorada vai indiciar um policial militar suspeito de participar dos protestos contra a BM. Foram identificados também cinco brigadianos com antecedentes criminais. Ao todo, são 26 inquéritos militares devem ser instaurados para apurar os mais de 70 protestos que ocorreram no Estado desde o dia 4 de agosto.

Mais detalhes devem ser anunciados hoje, às 17h, durante coletiva marcada pelo Comando da Brigada Militar e a Chefia da Polícia Civil . Entre os assuntos abordados, com a presença do secretário de Segurança Pública Airton Michels, está o inquérito da polícia sobre bonecos da Brigada Militar com explosivos e queima de pneus nas rodovias.

Desde o dia 4 de agosto deste ano, foram pelo menos 70 protestos iniciados com queima de pneus que chamuscaram a imagem da BM. Diversos casos ocorreram pelo interior do Estado desde então. No início foram tratados isoladamente e a recomendação era de que cada batalhão apurasse o ocorrido na sua área.

Na madrugada de 1º de setembro, no centro de Porto Alegre, foi bloqueada por pneus queimados, às 2h30min. Duas faixas laterais ficaram bloqueadas, e o Corpo de Bombeiros foi acionado para apagar as chamas. Foram encontradas duas faixas com manifestações de PMs. Em uma delas, os dizeres: "Governador: chega de esmola. Salário digno já".

O Piratini exigiu providências. O comandante da Brigada Militar, Sérgio Abreu, foi acordado no meio da noite e a estratégia de ação foi alterada.

A Corregedoria geral abriu inquérito para apurar o episódio e as possíveis conexões com os casos do Interior. Foi criada uma força-tarefa com cerca de 15 oficiais de elite da tropa.

Na madrugada de 15 de setembro, houve o primeiro protesto nas proximidades da Praça da Matriz em forma de uma bomba falsa.