ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

BM X PC - OS ERROS DE CADA UM

SUA SEGURANÇA | Humberto Trezzi - ZERO HORA 05/10/2011


O lado bom do episódio em Canoas, se é que se pode achar algo positivo nessa confusão, é que ninguém foi morto ou ferido com gravidade. É de se comemorar, já que todos os envolvidos eram policiais e estavam armados. Para piorar, vários atiraram. Um caso em que a má pontaria pode ter sido benéfica.

Mas é preciso esclarecer as responsabilidades de cada um. Do lado da BM, mais uma vez, fica a interrogação: é legítimo que uma viatura discreta da corporação se envolva em investigação de crimes comuns, não aqueles praticados por policiais militares (que seria sua função)? Está bem, policial é policial 24 horas por dia e, se avisado de algo incomum, tem mesmo de verificar. Mas, armado e atirando? É curioso que os PMs discretos tenham agido com pressa e se disposto a enfrentar sujeitos armados que estavam em vantagem numérica, ainda mais sem saber que eram policiais. Pode ter sido tudo vontade mesmo de ajudar a população, mas dá margem para dúvida.

Do outro lado, policiais civis em investigação. Até aí, tudo ok. Eles não têm mesmo por que avisar que estão de campana, nem é saudável que usem viaturas com símbolos ostensivos, quando investigam. Mas dispararam contra os estranhos. Era mesmo necessário? Por uma dessas coincidências que muitos gostam de chamar de milagre, ninguém foi ferido seriamente.

O inquérito deve ir a fundo para que confrontos como esses não descambem do cômico para o trágico. Com tão poucos policiais no Estado e tanta investigação por fazer, só falta diminuir ainda mais o efetivo porque começaram a atirar uns nos outros.