ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

POLICIAL DO BOE É BALEADO EM ASSALTO

REAÇÃO À PAISANA. PM é baleado ao evitar assalto - ZERO HORA 13/10/2011

Um soldado do Batalhão de Operações Especiais (BOE), da Brigada Militar, acabou baleado no peito ao evitar um assalto na Avenida Nonoai, na zona sul de Porto Alegre, no começo da manhã de ontem. O autor do disparo que teria entrado no peito e saído na axila direita também ficou ferido na mão e acabou preso ao buscar socorro no postão da Cruzeiro.

O PM Elcio José Pereto, 26 anos, foi socorrido e levado ao Hospital de Pronto Socorro. Fora de serviço, o policial abastecia uma moto em um posto de combustíveis próximo quando teria ouvido o grito de socorro de uma mulher em uma parada de ônibus. Armado com a sua pistola .380, ele correu até o local e encontrou o bandido ainda junto à vítima.

Segundo a Brigada Militar, o rapaz de 18 anos tentou atirar contra o brigadiano, mas o revólver calibre 38 teria falhado. Os dois teriam entrado em luta corporal, e o suspeito teria feito um disparo contra o peito do PM. Ele reagiu e acertou a mão do criminoso.

Na fuga, o bandido deixou cair o revólver e teve as suas características descritas pelo policial militar. Pouco tempo depois, Jonatan Lopes Nunes foi reconhecido ao buscar socorro no postão da Cruzeiro. Encaminhado à 2ª DPPA, ele admitiu a autoria do crime, conforme a polícia.