ALERTA: A criminalidade e a violência crescem de forma assustadora no Brasil. Os policiais estão prendendo mais e aprendendo muitas armas de guerra e toneladas de drogas. A morte e a perda de acessibilidade são riscos presentes numa rotina estressante de retrabalho e sem continuidade na justiça. Entretanto, os governantes não reconhecem o esforço e o sacrifício, pagam mal, discriminam, enfraquecem e segmentam o ciclo policial. Os policiais sofrem com descaso, políticas imediatistas, ingerência partidária, formação insuficiente, treinamento precário, falta de previsão orçamentária, corrupção, ingerência política, aliciamento, "bicos" inseguros, conflitos, autoridade fraca, sistema criminal inoperante, insegurança jurídica, desvios de função, disparidades salariais, más condições de trabalho, leis benevolentes, falência prisional, morosidade dos processos, leniência do judiciário e impunidade que inutilizam o esforço policial e ameaçam a paz social.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

PROTESTO PM - INDICIAMENTO E PRISÃO


PMs são indiciados por queima de pneus Presídio Militar. Dois policiais acabaram detidos e foram levados ao presídio militar. CORREIO DO POVO, 20/10/2011

Dois policiais militares, o sargento da reserva João Carlos de Souza, o Lilica, e o soldado da ativa Marcelo Machado Maier, lotado no 24 BPM de Alvorada, foram indiciados pela Polícia Civil, suspeitos de participação na queima de pneus. O soldado também é suspeito de produzir o vídeo, divulgado na Internet e na imprensa, contendo ameaças ao governador Tarso Genro. Os fatos ocorreram em meados deste ano, durante negociações de aumento salarial para soldados, sargentos, subtenentes e tenentes. Os dois foram presos ontem por, supostamente, terem cometido outros delitos, quando PMs cumpriam mandados de busca e apreensão em suas residências. Eles foram conduzidos ao Presídio Militar, na Capital.

O chefe de Polícia, delegado Ranolfo Vieira Júnior, e o comandante-geral da BM, coronel Sérgio Roberto de Abreu, reuniram a imprensa, ontem, para falar das providências sobre os mais de 70 episódios, envolvendo queima de pneus, colocação de faixas, de uma falsa bomba e até a ameaça ao governador.

O inquérito, de acordo com a delegada Graciela Forest, titular da 3 DP de Alvorada e responsável pelas investigações, deverá ser entregue hoje à Justiça de Alvorada. Nas investigações da Brigada Militar, foram identificados seis suspeitos - os dois indiciados e mais quatro, sendo dois deles civis. De acordo com Abreu, a instituição tem 26 procedimentos instaurados.

A delegada entrou com pedido na Justiça para compartilhar as informações com a 1 DP de Porto Alegre, que investiga a colocação de uma simulação de bomba, no viaduto Otávio Rocha, e de um artefato explosivo, na rua Fernando Machado, em 15 e 23 de setembro, respectivamente. O soldado, 34 anos, também é suspeito de envolvimento nos dois atos. A Polícia chegou aos suspeitos investigando a queima de pneus em Alvorada. Escutas telefônicas captaram combinações para realizar protesto e a negociação de entrega do vídeo à imprensa. "O soldado se refere à colocação de explosivo, o que ocorreu, e ainda procurou uma lan house da cidade para distorcer a voz e passá-la para um DVD", lembrou a delegada.